sicnot

Perfil

Economia

Portugal com défice de 2,5% e dívida acima de 120% pelo menos até 2020, prevê FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) antecipa que o défice orçamental estabilize nos 2,5% até 2020 e que a dívida pública se mantenha acima dos 120% pelo menos até àquele ano. 

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

Francisco Seco/AP

No World Economic Outlook, hoje divulgado, o Fundo apresenta as suas previsões económicas e apresenta também previsões para o défice orçamental e para a dívida pública para os vários países até 2020.

No caso de Portugal, a instituição liderada por Christine Lagarde espera que o défice orçamental fique nos 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e nos 2,8% em 2016, caindo nos anos seguintes até aos 2,5%, estabilizando em torno deste valor até 2020, o último ano das projeções.

O FMI confirma assim as últimas previsões, que foram apresentadas em março aquando da conclusão da missão feita pela instituição a Portugal no âmbito do artigo IV, que define que sejam feitas análises às economias que fazem parte do FMI, geralmente todos os anos.

Nesta altura, o FMI tinha melhorado as perspetivas para o défice orçamental em duas décimas de ponto percentual, prevendo que ficasse nos 3,2% em 2015, o que significa que o Fundo continua mais pessimista do que o Governo, que espera fechar o ano com um défice de 2,7% do PIB.

Estas previsões demonstram também que o FMI não acredita que Portugal possa sair este ano do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), que estabelece que os países europeus que tenham um défice superior a 3% devem adotar uma estratégia orçamental para cumprir aquele limite.

Já quanto à dívida pública portuguesa, o FMI antecipa que caia para os 126,4% do PIB este ano e que se vá reduzindo lentamente até 2020, mas nunca abaixo dos 120%.

Em 2020, a dívida pública de Portugal deverá corresponder a 120,1% do PIB, de acordo com as estimativas do FMI.

O Governo, por seu lado, está mais otimista do que o FMI em relação à descida da dívida pública esperada para este ano, antevendo que caia para os 125,4% do PIB.

O FMI esclarece que as previsões apresentadas no World Economic Outlook não incluem as transações temporárias (as chamadas operações one-off) e assumem que não há alterações de política.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.