sicnot

Perfil

Economia

Portugal com défice de 2,5% e dívida acima de 120% pelo menos até 2020, prevê FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) antecipa que o défice orçamental estabilize nos 2,5% até 2020 e que a dívida pública se mantenha acima dos 120% pelo menos até àquele ano. 

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

Francisco Seco/AP

No World Economic Outlook, hoje divulgado, o Fundo apresenta as suas previsões económicas e apresenta também previsões para o défice orçamental e para a dívida pública para os vários países até 2020.

No caso de Portugal, a instituição liderada por Christine Lagarde espera que o défice orçamental fique nos 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e nos 2,8% em 2016, caindo nos anos seguintes até aos 2,5%, estabilizando em torno deste valor até 2020, o último ano das projeções.

O FMI confirma assim as últimas previsões, que foram apresentadas em março aquando da conclusão da missão feita pela instituição a Portugal no âmbito do artigo IV, que define que sejam feitas análises às economias que fazem parte do FMI, geralmente todos os anos.

Nesta altura, o FMI tinha melhorado as perspetivas para o défice orçamental em duas décimas de ponto percentual, prevendo que ficasse nos 3,2% em 2015, o que significa que o Fundo continua mais pessimista do que o Governo, que espera fechar o ano com um défice de 2,7% do PIB.

Estas previsões demonstram também que o FMI não acredita que Portugal possa sair este ano do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), que estabelece que os países europeus que tenham um défice superior a 3% devem adotar uma estratégia orçamental para cumprir aquele limite.

Já quanto à dívida pública portuguesa, o FMI antecipa que caia para os 126,4% do PIB este ano e que se vá reduzindo lentamente até 2020, mas nunca abaixo dos 120%.

Em 2020, a dívida pública de Portugal deverá corresponder a 120,1% do PIB, de acordo com as estimativas do FMI.

O Governo, por seu lado, está mais otimista do que o FMI em relação à descida da dívida pública esperada para este ano, antevendo que caia para os 125,4% do PIB.

O FMI esclarece que as previsões apresentadas no World Economic Outlook não incluem as transações temporárias (as chamadas operações one-off) e assumem que não há alterações de política.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.