sicnot

Perfil

Economia

Atividade económica mantém recuperação e consumo privado estabiliza em março

O indicador de atividade económica manteve em março a recuperação desde final de 2014, enquanto o indicador do consumo interrompeu a subida e estabilizou, informa hoje o Banco de Portugal (BdP).

(SIC/ Arquivo)

Segundo o BdP, o indicador coincidente mensal para a evolução homóloga da atividade económica subiu 0,6% em março, prosseguindo "a trajetória de melhoria observada desde o final do ano passado".

Numa análise do acumulado do trimestre terminado em março, o indicador de atividade económica registou uma taxa média de variação de 0,1%, contra -0,3% no trimestre terminado em fevereiro.

Relativamente ao indicador coincidente mensal para a evolução homóloga do consumo privado, apresentou em março uma estabilização face ao mês anterior, interrompendo o movimento descendente registado desde meados de 2014: variou 1,5%, tal como em fevereiro.

No acumulado até março, este indicador apresentou uma taxa média de variação de 1,5%, que compara com os 1,6% do trimestre terminado em fevereiro.

 Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico, apresentando assim "um perfil mais alisado" e não se destinando a refletir em cada momento do tempo a evolução da taxa de variação homóloga do respetivo agregado de Contas Nacionais.


Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.