sicnot

Perfil

Economia

Governadores do BCE decidem hoje manter taxa de juro

Os governadores do Banco Central Europeu (BCE) reúnem-se hoje e devem decidir manter as taxas de referência inalteradas nos 0,05% e prosseguir com as compras de dívida soberana, segundo analistas contactados pela agência Lusa.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

Da reunião em Frankfurt, na Alemanha, os analistas financeiros contactados pela Lusa não esperam muitas novidades: a taxa de referência deve manter-se inalterada nos 0,05% e o presidente do BCE, Mario Draghi, deverá fazer uma avaliação positiva do primeiro mês do programa de compra de dívida pública, indicando que o 'quantitative easing' é para continuar.

Para Filipe Garcia, presidente do IMF -- Informação de Mercados Financeiros, será "interessante perceber como é que o BCE irá gerir o problema da implementação da política, já que ela está a levar à distorção dos mercados monetário e obrigacionista, considerando que "a forma como o BCE irá gerir a possível escassez de títulos para compra é também um ponto a ter em atenção para o futuro".

Também a analista financeira do Departamento de Estudos Económicos do banco BPI, Teresa Gil Pinheiro, espera de Mario Draghi uma avaliação positiva do primeiro mês do 'quantitative easing', podendo "ser referido o cumprimento (e até ultrapassagem) dos objetivos pretendidos, na medida em que se observou uma apreciação dos ativos financeiros".

"O que a médio prazo poderá traduzir-se num maior relaxamento das condições de concessão de crédito à economia, contribuindo para a dinamização da atividade económica, nomeadamente através do aumento do investimento", admitiu Teresa Gil Pinheiro.

Também o economista-chefe do banco Montepio, Rui Bernardes Serra, espera uma avaliação positiva do primeiro mês do programa de compra de dívida soberana, já que "a inflação começou a acelerar". Segundo divulgou o Eurostat, a taxa de inflação anual na zona euro em março foi de -0,1% face aos -0,3% de fevereiro.

No entanto, "apesar dos desenvolvimentos, a inflação ainda está bem abaixo do 'target' [objetivo de médio prazo do BCE de uma taxa de inflação próxima, mas abaixo de 2%], a economia da zona euro ainda está longe de recuperar os níveis pré-crise e o desemprego ainda está muito elevado", afirma Rui Bernardes Serra.

Os analistas contactados pela Lusa admitem que da reunião de governadores não resulte nenhuma informação sobre a Grécia, devendo apenas ser reiterada a intenção do BCE em aceitar "dívida grega caso o Governo grego consiga um entendimento com os seus congéneres europeus".


Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.