sicnot

Perfil

Economia

Governo afirma que descida nas tarifas de gás é sinal "muito significativo"

O ministro da Energia, Jorge Moreira da Silva, definiu hoje como "muito significativo" o sinal dado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) com a proposta de descida média de 7,3% das tarifas transitórias de gás natural.

(Arquivo)

(Arquivo)

ANT\303\223NIO COTRIM

"De facto, 7 a 12% de descida de custos no gás é muito significativo, seja para os consumidores domésticos seja para os consumidores industriais", vincou Moreira da Silva, que falava aos jornalistas no ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, em Lisboa.

O governante falava após se saber que o regulador da energia propõe uma descida média de 7,3% das tarifas transitórias de gás natural, para o período que se inicia a 01 de julho, aplicadas aos clientes domésticos e pequenos comércios que se mantêm no mercado regulado.

Neste escalão estão os consumidores finais que têm um consumo anual inferior ou igual a 10.000 metros cúbicos.

A redução das tarifas, "resultante da contribuição extraordinária" sobre o setor, lembrou Jorge Moreira da Silva, beneficia também, por exemplo, da descida do preço da matéria-prima.

A dimensão da descida "não foi imposta ou aconselhada pela 'troika'", antes foi o Governo que entendeu no final do memorando ser necessário "ir mais longe na área da energia", seja com a introdução dos combustíveis 'low cost' ou os preços de referência no gás de botija, gasóleo e gasolina, por exemplo.

"Tenho todo o respeito pelas empresas, pelo papel que desenvolvem na dinamização da nossa economia, na criação de emprego, mas o papel do Governo é zelar não só pelo desenvolvimento das empresas mas pelo direito dos consumidores", sublinhou o ministro da Energia.

De acordo com um comunicado hoje divulgado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), a descida das tarifas, tanto para estes, como para os restantes consumidores, irá fazer-se em duas fases, começando já em maio, de forma a acomodar os valores à redução dos preços do petróleo.

Desta forma, a 01 de maio deverá ocorrer uma descida de 3,9% face ao valor que tinha entrado em vigor em julho de 2014 para os consumidores domésticos e pequenos comércios, seguindo-se nova descida, de 3,5%, a 01 de julho.

A proposta da ERSE quanto aos preços que vigoram a partir de 01 de julho vai ser apreciada pelo Conselho Tarifário, que terá de emitir o seu parecer até 15 de maio, seguindo-se a decisão final da entidade reguladora até 15 de junho.

A descida de 7,3% estende-se à tarifa social, que vai vigorar entre julho de 2015 e junho de 2016, destinada aos beneficiários de rendimento social de inserção, do complemento solidário para idosos ou do subsídio social de desemprego, entre outros apoios.

Lusa
  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • Ministro da Segurança Social admite hipótese de aumento de pensões em 2018
    0:47

    Economia

    O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social não exclui a hipótese de haver um novo aumento extraordinário nas pensões, no próximo ano. Vieira da Silva diz que as negociações ainda não estão fechadas e sublinha que a única garantia que pode dar é que as reformas vão voltar a ser atualizadas em 2018 de acordo com a inflação.

  • Mais de 5.400 mortos nas estradas desde 2010

    País

    Desde o início desta década e até à semana passada morreram nas estradas portuguesas 5.424 pessoas, com os acidentes rodoviários a provocarem um prejuízo económico superior a 15 mil milhões de euros.

  • Mexicana dá a luz na rua durante sismo

    Mundo

    No meio da tormenta, uma bênção: o trágico sismo que abalou o México esta semana encontrou Jessica Mendoza, grávida, a caminho do hospital para o tão ansiado parto. Mas o pior da natureza antecipou-se ao melhor e o nascimento foi, no mínimo, agitado.

    SIC

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Trump fez discurso de "gangster" na ONU

    Mundo

    O guia supremo da República Islâmica do Irão, o 'ayatollah' Ali Khamenei, qualificou esta quinta-feira de "linguagem de 'cowboy' e de 'gangster'" a violenta crítica na ONU do presidente norte-americano, Donald Trump, contra Teerão.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC

  • Como acabar com o cyberbulling? Os internautas aconselham Melania Trump

    Mundo

    Melania Trump está a ser alvo de piadas na internet, depois de ter dado um discurso, a propósito da Assembleia-Geral da ONU, sobre cyberbulling. Uns destacaram que a primeira-dama estava a falar de pobreza com um vestido de 3.000 dólares (cerca de 2.500 euros). Outros lembraram a ironia do discurso com as atitudes de Donald Trump, acusando-o de ser um bullie, que deveria ser parado, e que o primeiro passo seria impedir a presença o Presidente norte-americano no Twitter.

    SIC