sicnot

Perfil

Economia

Portugal volta hoje ao mercado para emitir dívida

Portugal espera colocar hoje no mercado dívida a três e 11 meses até 1.250 milhões de euros, através de dois leilões de Bilhetes de Tesouro, segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

(Reuters/Arquivo)

O IGCP realiza hoje dois leilões das linhas de Bilhetes de Tesouro com maturidade de três meses (17 de junho de 2015) e 11 meses (11 de março de 2016) e com um montante indicativo global entre os 1.000 e os 1.250 milhões de euros.

No mais recente leilão a três meses, que ocorreu a 18 de fevereiro, o Estado conseguiu colocar 250 milhões de euros a uma taxa média de 0,061%; já no último leilão com maturidade a 11 meses, que ocorreu na mesma data, foram colocados 1.000 milhões de euros a uma taxa média de 0,138%.

Os dois leilões estavam já previstos no calendário de financiamento para o segundo trimestre do ano, que aponta ainda para a realização de mais quatro leilões de Bilhetes do Tesouro e para a emissão de dívida de longo prazo (Obrigações do Tesouro), através da combinação de sindicatos e leilões, esperando-se uma colocação de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão.

No programa de financiamento do Estado para 2015, divulgado em janeiro, o IGCP previu a emissão bruta de até 14.000 milhões de euros em dívida de médio a longo prazo ao longo do ano para cobrir as necessidades de financiamento, embora o documento não incluísse o pagamento antecipado de parte do empréstimo contraído junto do Fundo Monetário Internacional.



Lusa
  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.