sicnot

Perfil

Economia

Receitas de portagem da Estradas de Portugal crescem 13% para 76 milhões de euros até março

A Estradas de Portugal (EP) alcançou nos primeiros três meses deste ano um total de 76,3 milhões de euros de receita com portagens, um aumento de 13,2% face ao primeiro trimestre de 2014, anunciou hoje a empresa. 

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

LUIS FORRA

Em comunicado, a empresa liderada por António Ramalho explica que o crescimento da receita resulta da recuperação económica em Portugal, de uma maior eficácia na cobrança, nomeadamente junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira, e do crescimento do número de utilizadores das autoestradas. 

Em termos percentuais foi nas subconcessões da EP que se registou o maior aumento das receitas de portagem (de 33,3%), embora o valor global de 4,4 milhões de euros, alcançado no conjunto das quatro subconcessões seja irrelevante. 

Já em termos de valor foi nas autoestradas concessionadas pelo Estado com cobrança eletrónica de portagem, anteriormente denominadas de SCUT, que o crescimento das receitas foi superior, tendo neste trimestre sido obtidos mais 6,4 milhões de euros, mais 13,5% do que no período homólogo. 

"Os dados de tráfego registados no ano passado revelam uma clara recuperação dos níveis de tráfego numa tendência de crescimento que é expectável se mantenha também ao longo de 2015, e que naturalmente se irá refletir igualmente nas receitas de portagem", acrescenta. 

A EP esclarece que o primeiro trimestre de 2015 não incluiu o período da Páscoa, em que se verificou um crescimento de 19,3% do número de turistas a aderir ao sistema de pagamento de portagem EasyToll (para veículos com matrícula estrangeira).

A 1 de maio ou a 1 de junho, a EP será objeto de fusão com a Refer e darão origem à Infraestruturas de Portugal, faltando para tal a promulgação pela Presidência da República do diploma. 

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.