sicnot

Perfil

Economia

Receitas de portagem da Estradas de Portugal crescem 13% para 76 milhões de euros até março

A Estradas de Portugal (EP) alcançou nos primeiros três meses deste ano um total de 76,3 milhões de euros de receita com portagens, um aumento de 13,2% face ao primeiro trimestre de 2014, anunciou hoje a empresa. 

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

LUIS FORRA

Em comunicado, a empresa liderada por António Ramalho explica que o crescimento da receita resulta da recuperação económica em Portugal, de uma maior eficácia na cobrança, nomeadamente junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira, e do crescimento do número de utilizadores das autoestradas. 

Em termos percentuais foi nas subconcessões da EP que se registou o maior aumento das receitas de portagem (de 33,3%), embora o valor global de 4,4 milhões de euros, alcançado no conjunto das quatro subconcessões seja irrelevante. 

Já em termos de valor foi nas autoestradas concessionadas pelo Estado com cobrança eletrónica de portagem, anteriormente denominadas de SCUT, que o crescimento das receitas foi superior, tendo neste trimestre sido obtidos mais 6,4 milhões de euros, mais 13,5% do que no período homólogo. 

"Os dados de tráfego registados no ano passado revelam uma clara recuperação dos níveis de tráfego numa tendência de crescimento que é expectável se mantenha também ao longo de 2015, e que naturalmente se irá refletir igualmente nas receitas de portagem", acrescenta. 

A EP esclarece que o primeiro trimestre de 2015 não incluiu o período da Páscoa, em que se verificou um crescimento de 19,3% do número de turistas a aderir ao sistema de pagamento de portagem EasyToll (para veículos com matrícula estrangeira).

A 1 de maio ou a 1 de junho, a EP será objeto de fusão com a Refer e darão origem à Infraestruturas de Portugal, faltando para tal a promulgação pela Presidência da República do diploma. 

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.