sicnot

Perfil

Economia

Receitas de portagem da Estradas de Portugal crescem 13% para 76 milhões de euros até março

A Estradas de Portugal (EP) alcançou nos primeiros três meses deste ano um total de 76,3 milhões de euros de receita com portagens, um aumento de 13,2% face ao primeiro trimestre de 2014, anunciou hoje a empresa. 

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

A crise económica fez acentuar a quebra de venda de carros em Portugal (Lusa / Arquivo)

LUIS FORRA

Em comunicado, a empresa liderada por António Ramalho explica que o crescimento da receita resulta da recuperação económica em Portugal, de uma maior eficácia na cobrança, nomeadamente junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira, e do crescimento do número de utilizadores das autoestradas. 

Em termos percentuais foi nas subconcessões da EP que se registou o maior aumento das receitas de portagem (de 33,3%), embora o valor global de 4,4 milhões de euros, alcançado no conjunto das quatro subconcessões seja irrelevante. 

Já em termos de valor foi nas autoestradas concessionadas pelo Estado com cobrança eletrónica de portagem, anteriormente denominadas de SCUT, que o crescimento das receitas foi superior, tendo neste trimestre sido obtidos mais 6,4 milhões de euros, mais 13,5% do que no período homólogo. 

"Os dados de tráfego registados no ano passado revelam uma clara recuperação dos níveis de tráfego numa tendência de crescimento que é expectável se mantenha também ao longo de 2015, e que naturalmente se irá refletir igualmente nas receitas de portagem", acrescenta. 

A EP esclarece que o primeiro trimestre de 2015 não incluiu o período da Páscoa, em que se verificou um crescimento de 19,3% do número de turistas a aderir ao sistema de pagamento de portagem EasyToll (para veículos com matrícula estrangeira).

A 1 de maio ou a 1 de junho, a EP será objeto de fusão com a Refer e darão origem à Infraestruturas de Portugal, faltando para tal a promulgação pela Presidência da República do diploma. 

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC