sicnot

Perfil

Economia

Sindicato acusa Fernando Pinto de querer "confundir e iludir" os pilotos

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) acusou hoje o presidente da TAP de querer "confundir e iludir os pilotos" ao imputar-lhes, "de um modo absurdo, a responsabilidade pelas consequências de atos praticados pela administração da empresa". 

Lusa

"Esta comunicação visa confundir e iludir os pilotos sobre o que está agora verdadeiramente em causa e imputar-lhes, de um modo absurdo, a responsabilidade pelas consequências de atos praticados pela administração da empresa, configurando uma preocupante manifestação de irresponsabilidade", lê-se na resposta do SPAC à carta enviada por Fernando Pinto aos pilotos. 

Os pilotos da TAP reúnem-se hoje em assembleia-geral para discutir o acordo assinado em dezembro com o Governo, estando em cima da mesa a possibilidade de uma nova greve, a um mês da entrega de propostas à compra do grupo. 

Na carta enviada na terça-feira, Fernando Pinto acusou o SPAC de invocar "acordos" inexistentes, distorcendo ou omitindo factos, garantindo que "a TAP cumpriu rigorosamente a sua parte do compromisso assumido quanto à negociação dos domínios do Acordo de Empresa". 

Hoje os pilotos reafirmam que ainda não foi reposto o vencimento de senioridade -- que representa 1,5% do vencimento base por ano -, reposição com a qual, argumentam, "o Governo concordou expressamente [...] no processo negocial". 

"Agora e sem nenhum fundamento inteligível, o Governo e a TAP vêm negar a aplicação do Acordo de Empresa que se comprometeram a repor e a salvaguardar, com os objetivos de valorizarem artificialmente a empresa perante os potenciais investidores, de encobrirem os prejuízos exorbitantes que os gestores infligiram à TAP e de aumentarem os lucros dos investidores e os prémios dos mesmos gestores", defende o SPAC. 

No mesmo comunicado, enviado duas horas antes do início da assembleia-geral, o SPAC recorda que "o Governo também não pretende cumprir com o acordo de 1999, sob um falso pretexto".

"A TAP e o Governo procuram confundir a matéria processual da negociação com a sua substância para demoverem a reação dos pilotos perante as perdas colossais que lhes pretendem impor", considera. 

No final da carta aos pilotos, Fernando Pinto recorda os "efeitos devastadores" da instabilidade laboral nos últimos meses de 2014 "nos resultados e na imagem das empresas do grupo", considerando que, se avançar para a greve, "o SPAC coloca em causa tudo o que de positivo foi entretanto alcançado, em especial todas as garantias consagradas no quadro do futuro da TAP".

Neste contexto, a estrutura sindical acusa a administração e o Governo de pretenderem "encobrir e eximir-se das graves responsabilidades que lhes cabem na degradação da imagem da empresa, nos seus prejuízos e na sua posição financeira". 

Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.