sicnot

Perfil

Economia

Ministro da Economia surpreendido apela a pilotos da TAP para reconsiderarem greve

O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou hoje estar "surpreendido com a greve" de 10 dias dos pilotos da TAP, que considerou inexplicável, e apelou ao sindicato para reconsider a decisão.

JOS\303\211 COELHO

"É evidente que estou surpreendido. Não esperávamos esta posição do sindicato dos pilotos, que contraria aquilo que foi escrito e assinado pelos representantes dos sindicatos dos pilotos na última semana de 2014", afirmou o ministro, em declarações no programa Grande Entrevista, da RTP Informação, em relação à decisão, hoje, do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) de marcar uma greve de 10 dias, a começar a 01 de maio.

A paralisação foi decidida numa assembleia, que contou com a participação de cerca de 500 pilotos da TAP, que mandataram a direção do seu sindicato para emitir um pré-aviso de greve dentro de um dia.

Em causa, estão as pretensões dos pilotos sobre as diuturnidades e sobre a obtenção de até 20% do capital da companhia aérea, aquando da sua privatização, que deverá estar concluída até ao final deste trimestre, como anunciou o ministro da Economia na entrevista à RTP. 

"Acredita que se tivéssemos acordado ceder 20% e repor diuturnidades com efeitos retroativos isso não tivesse ficado escrito no acordo?", questionou Pires de Lima.

Segundo o ministro, na reunião com os sindicatos foi por si explicado que haviam duas condições que não eram negociáveis: "A primeira era a privatização da empresa e a segunda era a cedência de até 20% do capital da TAP aos pilotos".

Para Pires de Lima, quando as coisas são simples "explicam-se em dois pontos e dois parágrafos", comentando assim o comunicado emitido pelo SPAC após a decisão da greve e que destaca 30 pontos.

"Há alguém que acredite que o Governo se tenha comprometido a vender entre 10 e 20% da empresa aos pilotos e isso não tenha ficado escrito no acordo", insistiu o Pires de Lima.

O ministro disse também que "não é passível de negociar aquela condição" e que o Governo "não está disponível para reabrir uma negociação que foi acordada e foi deixada a escrito por nove sindicatos, incluíndo o dos pilotos, administração da TAP e Governo no passado mês de novembro".

"O acordo que nós assinamos é um acordo para cumprir e nesse sentido deixo aqui um apelo aos pilotos para que reconsiderem", afirmou Pires de Lima, vincando: "o acordo que assinámos é para cumprir o o Governo vai cumprir com todo o zelo o que assinou. Quero acreditar que o que foi acordado por palavra e assinado vai ser cumprido".

Questionado sobre uma explicação para a greve hoje convocada, Pires da Lima respondeu que "é "inexplicável".

"A única explicação que eu encontro é que os pilotos, no limite do 'timing' da privatização, pretendem colocar o Governo e os portugueses sob uma espécie de ameaça, de forma a procurar bloquear essa privatização", sublinhou.

Os candidatos à compra do grupo TAP têm que entregar as propostas vinculativas até às 17:00 de 15 de maio. 

"Espero que os pilotos reconsiderem a posição que hoje anunciaram, porque se esta greve se realizar, afeta muitíssimo a vida económica da TAP, a sustentabilidade da companhia, e a TAP precisa de demonstrar vitalidade e coesão numa altura como esta para a vida da empresa", declarou.

Lusa
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.