sicnot

Perfil

Economia

CDS-PP diz que greve na TAP pode acabar com a empresa

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, defendeu hoje que a greve na TAP "pode acabar com uma empresa de referência", apelou aos pilotos que reconsiderem a paralisação e afirmou que "há um limite para a irresponsabilidade".

No debate quinzenal, no parlamento, o presidente da bancada centrista fez um apelo aos pilotos, para que, "em nome da TAP, em nome da economia nacional, reconsiderem esta decisão que, em última análise, pode acabar com uma empresa de referência".

"Há um limite para a irresponsabilidade, há um limite para o egoísmo", disse.

"A TAP é uma empresa prestigiada, embora saibamos que com dificuldades. Foi convocada uma greve de 10 dias num só mês. Isto vai afetar o turismo, a economia portuguesa, os passageiros, mas também, e se calhar sobretudo, a própria empresa", declarou.

De acordo com Nuno Magalhães, "os pilotos sabem que as reivindicações não estão no acordo que assinaram há meses, há poucos meses".

"Estamos do lado daqueles que querem resolver o problema, não estamos do lado daqueles que querem criar ainda mais problemas", afirmou.

Nuno Magalhães começou por se referir ao Programa de Estabilidade anunciado pelo Governo na quinta-feira, declarando que o executivo "decretou a certidão de óbito da sobretaxa do IRS", que terminará em 2019.

"Está faseado, é realista, é o que podemos", defendeu, reiterando ainda defesa da "redução da despesa do Estado".

Sobre a reforma do sistema de pensões, que, segundo o Governo, envolve um corte de 600 milhões de euros, Nuno Magalhães reiterou que é uma reforma que "é necessário fazer" e que "o que se esperaria do PS" era um "contributo para esse esforço". 

"Vamos ter esperança de que no debate de quarta-feira haja um projeto de resolução com propostas, com alternativas do PS", afirmou.

O líder parlamentar centrista renovou ainda defesa pela descida do IRC, reiterando o argumento do CDS-PP de que "não é uma questão ideológica ou programática", mas uma medida de pragmatismo, para tornar o país mais competitivo e criar emprego.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.