sicnot

Perfil

Economia

BCE terminou 2014 com um aumento líquido de 787 funcionários

 O Banco Central Europeu (BCE) terminou o ano de 2014 com um aumento de 787 no número efetivo de funcionários contratados, em equivalência a tempo inteiro, que totalizaram 2.577 face aos 1.790 registados no final de 2013.

(Arquivo Reuters)

(Arquivo Reuters)

© Ralph Orlowski / Reuters

De acordo com o relatório anual da instituição financeira, que foi hoje publicado na respetiva página na Internet, este aumento deve-se a "um ano extraordinário para o BCE no campo da evolução dos recursos humanos", tendo em conta a preparação para o lançamento do Mecanismo Único de Supervisão (MUS) em novembro de 2014.

O total de 2.577 funcionários referido pelo banco inclui trabalhadores com contratos permanentes, a termo ou de curto prazo, e os participantes no programa BCE para Graduados, além de pessoal em licença de parto ou com baixa por doença prolongada.

O documento adianta ainda que o montante de custos com pessoal aumentou de 187,3 milhões em 2013 para 244,9 milhões de euros no ano passado, uma subida superior a 30%, que inclui remunerações, subsídios, custos com seguros e outros custos diversos, indica a instituição.

A este valor, somam-se outros 56,2 milhões de euros (53,3 milhões em 2013) que são relativos aos planos de pensões do BCE, outros benefícios pós-emprego e benefícios de longo prazo, acrescenta o banco europeu.

Segundo o relatório anual, o novo Conselho de Supervisão, criado no âmbito do MUS, representou em 2014 um acréscimo de 508,6 milhares euros em remunerações de base. Deste montante, mais de metade (271,1 milhares de euros) respeitam à presidente, Danièle Nouy, em funções desde janeiro do ano passado. 

Tendo ainda em conta as remunerações de base da Comissão Executiva liderada por Mario Draghi, os gastos do BCE com os dois órgãos de topo cresceram 27,3% entre 2013 e 2014, de cerca de 1,8 milhões para 2,3 milhões de euros.

O documento hoje publicado adianta ainda que o número de posições aprovadas com contratos, em equivalência a tempo inteiro, era de 2.622 no final de 2014, um pouco superior aos lugares que já tinham sido efetivamente preenchidos nessa data. Em 2013, as posições aprovadas somavam 1.907.

Ainda segundo o relatório hoje publicado, registaram-se 681 demissões ou conclusões de contratos durante o ano passado, face a 347 em 2013, enquanto as entradas de novos membros e alterações de contratos totalizaram 1.458.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.