sicnot

Perfil

Economia

BCE terminou 2014 com um aumento líquido de 787 funcionários

 O Banco Central Europeu (BCE) terminou o ano de 2014 com um aumento de 787 no número efetivo de funcionários contratados, em equivalência a tempo inteiro, que totalizaram 2.577 face aos 1.790 registados no final de 2013.

(Arquivo Reuters)

(Arquivo Reuters)

© Ralph Orlowski / Reuters

De acordo com o relatório anual da instituição financeira, que foi hoje publicado na respetiva página na Internet, este aumento deve-se a "um ano extraordinário para o BCE no campo da evolução dos recursos humanos", tendo em conta a preparação para o lançamento do Mecanismo Único de Supervisão (MUS) em novembro de 2014.

O total de 2.577 funcionários referido pelo banco inclui trabalhadores com contratos permanentes, a termo ou de curto prazo, e os participantes no programa BCE para Graduados, além de pessoal em licença de parto ou com baixa por doença prolongada.

O documento adianta ainda que o montante de custos com pessoal aumentou de 187,3 milhões em 2013 para 244,9 milhões de euros no ano passado, uma subida superior a 30%, que inclui remunerações, subsídios, custos com seguros e outros custos diversos, indica a instituição.

A este valor, somam-se outros 56,2 milhões de euros (53,3 milhões em 2013) que são relativos aos planos de pensões do BCE, outros benefícios pós-emprego e benefícios de longo prazo, acrescenta o banco europeu.

Segundo o relatório anual, o novo Conselho de Supervisão, criado no âmbito do MUS, representou em 2014 um acréscimo de 508,6 milhares euros em remunerações de base. Deste montante, mais de metade (271,1 milhares de euros) respeitam à presidente, Danièle Nouy, em funções desde janeiro do ano passado. 

Tendo ainda em conta as remunerações de base da Comissão Executiva liderada por Mario Draghi, os gastos do BCE com os dois órgãos de topo cresceram 27,3% entre 2013 e 2014, de cerca de 1,8 milhões para 2,3 milhões de euros.

O documento hoje publicado adianta ainda que o número de posições aprovadas com contratos, em equivalência a tempo inteiro, era de 2.622 no final de 2014, um pouco superior aos lugares que já tinham sido efetivamente preenchidos nessa data. Em 2013, as posições aprovadas somavam 1.907.

Ainda segundo o relatório hoje publicado, registaram-se 681 demissões ou conclusões de contratos durante o ano passado, face a 347 em 2013, enquanto as entradas de novos membros e alterações de contratos totalizaram 1.458.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43