sicnot

Perfil

Economia

Louçã afirma que redução da TSU não serve para nada

O economista e antigo líder do Bloco de Esquerda Francisco Louçã fez as contas às propostas do Partido Socialista e do Governo de redução das contribuições para a Segurança Social e afirmou hoje que não servem para nada.

TIAGO PETINGA

O argumento para a redução das contribuições é que se as empresas pagarem menos ficam com mais recursos e criam mais emprego, mas Francisco Louçã sustenta que não é assim e apresentou os seus argumentos numa conferência/debate com o tema "O FMI, a Europa, o(s) Governo(s) e as Pensões", promovida pela APRe - Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados.

Nas contas do economista e professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), se houver, por hipótese, uma redução de quatro por cento nestas contribuições isso "significa uma perda de receita de 1.600 milhões de euros" para a Segurança Social, muito acima do previsto pelo Governo e também das contas do Partido Socialista (PS). 

"Com os salários que são pagos atualmente, e que são baixos, seria necessária a entrada de 500 mil trabalhadores em emprego novo, ou seja quase o desaparecimento do desemprego oficial" para, com as contribuições destes, compensar essa perda de receita, afirmou Francisco Louçã.

Um cenário inviável, afirma, até porque os custos financeiros, de matérias-primas, serviços e outros são os que pesam às empresas, sendo que o custo por trabalhador sobre o qual incide a contribuição (TSU) é um quarto do custo da empresa.

Por isso à pergunta sobre "para que é que isto serve, do ponto de vista da economia que é o argumento", a resposta que Francisco Louçã dá é que "não serve rigorosamente para nada".

Acusou o Governo de com essa ideia de baixar a TSU vir a criar desequilíbrio nas contas da Segurança Social e ai sustentar depois a proposta de cortes nas pensões, no valor de 600 milhões de euros, e criticou as propostas apresentadas hoje pelo PS em matéria de Segurança Social e emprego, as que mais o preocupam, disse.

Há no documento apresentado duas ideias sobre o trabalho e duas sobre os desempregados que "são erradas", considera Louçã. 

As primeiras são a devolução dos salários da função pública -- Governo diz até 2019, o PS diz até 2018 -- e "facilitar os despedimentos, a que chama regime conciliatório para os despedimentos".

"Eu creio que qualquer partido que contribua para este consenso amaldiçoado de que o problema do emprego é facilitar o despedimento está errado", afirmou Louça, para quem "a raiz do problema da sustentabilidade da Segurança Social é o desemprego".

As duas outras medidas do PS são também a descida das contribuições para a Segurança Social, com o cenário que traçou de um desequilíbrio e inutilidade, e mexer no fator de sustentabilidade, o que o antigo líder bloquista presume que "signifique aumentar a idade da reforma", traduzindo-se numa "diminuição das possibilidades de emprego num país com 35 por cento de desemprego jovem".

Foi na "ideia errada de justiça geracional" que o outro orador nesta conferência, Pacheco Pereira, centrou a sua intervenção. 

Como historiador, afirmou, "nunca conheci um momento da história em que ser velho fosse considerada uma culpa" e nos últimos anos "criou-se a situação de que o facto de haver um número significativo de portugueses com uma idade mais avançada é um ónus para a sociedade".

"Há uma culpa induzida sobre os mais velhos que está no cerne de muitos aspetos da propaganda do Governo e traduziu-se, aliás, numa ideia expressa politicamente, em comunicados principalmente de uma organização do meu partido, a JSD, que desenvolveu a teoria da justiça geracional", disse o antigo deputado social democrata.

Essa justiça, adiantou, é fazer com que os mais velhos paguem aquilo que hipoteticamente é mais vantajoso para os mais novos. Uma ideia perniciosa sobre o funcionamento da sociedade", considera o historiador.


Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.