sicnot

Perfil

Economia

Presidente da CMVM diz que empresas têm "crédito a mais"

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, alertou hoje para o "crédito a mais" das empresas portuguesas, vincando que estas precisam de "mais capital e menos dívida".

(Reuters)

(Reuters)

REUTERS

As empresas "têm crédito a mais", disse Carlos Tavares no parlamento, reconhecendo que a sua posição possa ser "impopular".

O responsável, que falava na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública (COFAP), chamou também a atenção para as "fortes limitações à capacidade de investimento e crescimento das empresas".

"Elevados níveis de endividamento, com redução modesta" e "elevada absorção da rentabilidade por encargos financeiros, mesmo com taxas de juro baixas", são fenómenos elencados por Carlos Tavares no que se refere às empresas portuguesas.

O presidente da CMVM sublinhou ainda os "muito elevados níveis de incumprimento" a nível de crédito e os "baixos níveis de autonomia financeira" das empresas.

Carlos Tavares está a ser ouvido esta tarde pelos deputados numa audição onde está a apresentar o plano de atividades da CMVM e a programação do seu desenvolvimento.

Ao mesmo tempo, o responsável está a fazer um balanço dos trabalhos da entidade entre 2005 e 2015.

A audição é uma obrigatoriedade estabelecida pela lei-quadro das entidades reguladoras.

Lusa
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48