sicnot

Perfil

Economia

Redução da TSU prejudica Segurança social, diz CGTP

O secretário-geral da CGTP considerou hoje que a redução da Taxa Social Única (TSU), defendida pelo PS, prejudicaria o sistema de Segurança Social e não seria uma boa forma de compensar os rendimentos perdidos pelos trabalhadores nos últimos anos. 

Arménio Carlos considerou ainda que tem sido a luta dos trabalhadores que tem impedido o Governo de concretizar o processo de privatização de empresas como a TAP, a Carris, o Metro ou a Transtejo.

Arménio Carlos considerou ainda que tem sido a luta dos trabalhadores que tem impedido o Governo de concretizar o processo de privatização de empresas como a TAP, a Carris, o Metro ou a Transtejo.

Lusa

"Não faz sentido defender a redução da TSU para os trabalhadores, alegando que seria uma forma de melhorar os seus rendimentos, pois os rendimentos perdidos só serão compensados com a reposição e aumento dos salários e com outra distribuição de riqueza", disse Arménio Carlos à agência Lusa.

Para o sindicalista, a descida das contribuições que os trabalhadores e as empresas fazem para a Segurança Social é motivo "de grande preocupação porque pode pôr em causa a sustentabilidade da Segurança Social.

"Esta medida não pode avançar porque levaria à redução dos direitos dos trabalhadores que têm contribuído para a Segurança Social e à redução do valor das prestações sociais para um nível assistencialista", disse.

A redução da TSU, para trabalhadores e empresas, é uma das medidas previstas no relatório apresentado hoje publicamente pelo líder socialista, que define o cenário macroeconómico para os próximos quatro anos.

O secretário-geral da Intersindical criticou a ausência no documento de qualquer cenário para a área laboral, assim como de uma política salarial para os próximos anos.

Arménio Carlos considerou que muitas das medidas previstas "seguem na mesma linha da política do atual Governo", nomeadamente a reposição faseada dos salários e a retirada faseada da sobretaxa de IRS, que o PS faria em menos tempo.

O sindicalista criticou ainda a falta de "valorização da Administração Pública" e a possibilidade de privatização das empresas públicas.

Os economistas responsáveis pelo cenário macroeconómico do PS estimam que, com as medidas incluídas no relatório, Portugal tenha, em 2016, mais crescimento, mais défice, mais dívida pública mas menos desemprego do que as últimas previsões do Governo.

Entre as principais medidas incluídas no documento estão a reposição dos cortes salariais à função pública a um ritmo de 40% ao ano, sendo pagos a 100% a partir de 2018, a redução gradual da sobretaxa em sede de IRS até à sua extinção em 2017 e a redução das contribuições para a Segurança Social.





  • PS propõe descida da TSU para os trabalhadores

    Economia

    O cenário macroeconómico do PS prevê uma redução das contribuições dos trabalhadores para a Segurança Social de 11% para 7% até 2018, procedendo-se em 2019 à reposição até ao valor atual. Apresentada hoje, a proposta socialista passa também pela redução do IVA da restauração para 13% em 2016 e pela  eliminação gradual da sobretaxa de IRS em duas fases, 50% no próximo ano e 50% em 2017. Quanto aos salários da função pública, prevê a reposição em 40% em janeiro de 2016 e da parte restante em 2017, procedendo-se em 2018 ao descongelamento de carreiras.

  • PS quer eliminar sobretaxa e repor salários até 2017
    2:46

    Economia

    O PS propõe eliminar a sobretaxa do IRS em dois anos e repor os salários da Função Pública na íntegra até 2017. O grupo de economistas a quem Antonio Costa encomendou uma espécie de programa económico apresentou hoje as proposta para a próxima legislatura. Entre muitas medidas, destaque para a redução da TSU dos trabalhadores já em 2016 e para um crédito fiscal para os trabalhadores com menores rendimentos.

  • As propostas do PS para a próxima legislatura
    2:57

    País

    O Partido Socialista quer eliminar a sobretaxa do IRS em apenas dois anos e repor os salários da função publica na íntegra até 2017. O grupo de economistas a quem António Costa encomendou uma espécie de programa económico apresentou hoje as propostas para a próxima legislatura. Entre muitas medidas, destaque para a redução da TSU dos trabalhadores já em 2016 e para um crédito fiscal para os trabalhadores mais pobres.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.