sicnot

Perfil

Economia

Deutsche Bank vai pagar 2,5 mil milhões de dólares por manipulação de mercados

O banco alemão Deutsche Bank aceitou pagar uma multa de 2,51 mil milhões de dólares às autoridades norte-americanas e britânicas para escapar a ações penais relacionadas com a manipulação das taxas interbancárias, incluindo a Libor.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

Uma filial do banco alemão, a DB Group Services Limited, reconheceu a culpa e admitiu a falha dos seus sistemas de controlo.

A decisão evita que o Deutsche Bank possa perder a sua licença bancária nos Estados Unidos. O grupo firmou um acordo no qual se compromete a não cometer infrações similares e as autoridades renunciaram a levar o caso aos tribunais, indicaram o Departamento de Justiça e o regulador dos serviços financeiros de Nova Iorque.

"Durante anos, os funcionários do Deutsche Bank manipularam ilegalmente as taxas de juro em todo o mundo (...) para gerar lucros para si com custos para os clientes", afirmou Leslie Caldwell, uma responsável do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

O acordo firmado pelo Deutsche Bank com as autoridades de Nova Iorque, com 23 páginas, indica que nas operações estavam envolvidas "mais de duas dezenas de funcionários", que operavam a partir de Nova Iorque, Londres, Frankfurt e Tóquio.

A multa inclui 800 milhões de dólares para a Comissão de Negociação de Futuros dos Estados Unidos, 775 milhões para o Departamento de Justiça, 600 milhões para o Departamento de Serviços Financeiros de Nova Iorque e 340 milhões de dólares para as autoridades financeiras do Reino Unido.

Lusa

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15