sicnot

Perfil

Economia

Gasolineiras interpõem providência cautelar contra nova lei

Galp, BP e Repsol interpuseram uma providência cautelar contra a lei dos combustíveis. A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro)  juntou-se à ação legal das gasolineiras.

(arquivo)

(arquivo)

REUTERS (Arquivo)

De fora ficaram a Cepsa e a Prio.

A providência cautelar deu entrada no Tribunal Administrativo de Lisboa a 7 de abril, ainda antes da entrada em vigor da nova lei que obriga as distribuidoras a fornecer combustíveis sem aditivos na rede.

As empresas e a Apetro admitem recorrer a outras iniciativas processuais contra a nova lei, por considerarem que os combustíveis simples representam um recuo num mercado liberalizado desde 2004 que prejudica os consumidores, os operadores e o ambiente. 

Lei dos combustíveis simples é "passo atrás"

Em comunicado enviado no início desta semana, a Apetro defendeu hoje que a lei que obriga todos os postos de abastecimento a vender combustíveis simples é "um passo atrás", que prejudica os consumidores, os operadores e o ambiente. 

"Não havendo ganhadores, há alguns relevantes perdedores e prejuízos, com a aplicação" desta legislação, enumerando os consumidores, que passaram a ter uma oferta limitada num mercado menos diferenciado, os operadores, que desenvolvem os seus produtos e se vêm impedidos de os comercializar, e o ambiente, devido a "uma menor eficiência energética, um aumento da emissão de gases e uma pior qualidade do ar". 


  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10