sicnot

Perfil

Economia

Jardim Gonçalves defende fusão entre BCP e BPI

O antigo presidente do BCP, Jorge Jardim Gonçalves, defendeu hoje durante um encontro de gestores que o grupo financeiro se deveria fundir com o BPI, para os dois formarem "uma instituição financeira de peso".

(SIC)

(SIC)

"Defendo a fusão [entre os dois bancos] e fui espontâneo, ninguém me deu recado", comentou em declarações à Lusa, no final de um encontro organizado pelo Fórum de Administradores de Empresas, no auditório da SRS, em Lisboa.

"Entendo que uma instituição só se projeta no mundo e só é útil ao seu país de origem quando efetivamente tem acionistas de referência mas não dominantes", acrescentou Jardim Gonçalves, referindo que juntando os dois bancos, "há lugar para os acionistas que são importantes permanecerem e para esta instituição que é de Portugal, internacionalmente, dar oportunidade para emprego qualificado a portugueses e não portugueses".

O ex-gestor do BCP comentou também de forma crítica, referindo-se a "monopólios" de opinião, a atuação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, nomeadamente na questão dos 'offshores' do grupo financeiro.

"A CMVM disse que os 'offshores' do BCP foram para o aumento do capital, mas quando fez a acusação formal não introduziu essa questão, porque verificou que os 'offshores' não foram ao aumento de capital", referiu, sublinhando que, no entanto, isso não foi corrigido publicamente. "Há uma ditadura da palavra", concluiu.










Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31