sicnot

Perfil

Economia

Jardim Gonçalves defende fusão entre BCP e BPI

O antigo presidente do BCP, Jorge Jardim Gonçalves, defendeu hoje durante um encontro de gestores que o grupo financeiro se deveria fundir com o BPI, para os dois formarem "uma instituição financeira de peso".

(SIC)

(SIC)

"Defendo a fusão [entre os dois bancos] e fui espontâneo, ninguém me deu recado", comentou em declarações à Lusa, no final de um encontro organizado pelo Fórum de Administradores de Empresas, no auditório da SRS, em Lisboa.

"Entendo que uma instituição só se projeta no mundo e só é útil ao seu país de origem quando efetivamente tem acionistas de referência mas não dominantes", acrescentou Jardim Gonçalves, referindo que juntando os dois bancos, "há lugar para os acionistas que são importantes permanecerem e para esta instituição que é de Portugal, internacionalmente, dar oportunidade para emprego qualificado a portugueses e não portugueses".

O ex-gestor do BCP comentou também de forma crítica, referindo-se a "monopólios" de opinião, a atuação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, nomeadamente na questão dos 'offshores' do grupo financeiro.

"A CMVM disse que os 'offshores' do BCP foram para o aumento do capital, mas quando fez a acusação formal não introduziu essa questão, porque verificou que os 'offshores' não foram ao aumento de capital", referiu, sublinhando que, no entanto, isso não foi corrigido publicamente. "Há uma ditadura da palavra", concluiu.










Lusa
  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.