sicnot

Perfil

Economia

Zona euro nega ter sido discutido 'plano B' no Eurogrupo para Grécia

Vários ministros das Finanças da zona do euro e o Comissário Europeu Pierre Moscovici negaram hoje que se tenha falado no Eurogrupo de um 'plano B' para a Grécia, embora a Eslovénia tenha confirmado que puxou o assunto.

© Yves Herman / Reuters

Segundo várias fontes, o ministro das Finanças da Eslovénia, Dusan Mramor, falou na reunião informal de sexta-feira, em Riga (capital da Letónia), na necessidade de se avançar para um 'plano B' para a Grécia, perante a falta de progressos nas negociações quanto às medidas a adotar por Atenas.

"A minha intervenção foi sobre o que faremos a seguir se não conseguirmos um novo programa a tempo de a Grécia se poder financiar e melhorar a sua liquidez. Isso foi tudo e um 'plano B' pode ser qualquer coisa", limitou-se a dizer Dusan hoje à chegada ao Ecofin, que reúne os ministros das Finanças da União Europeia (UE).

Por sua vez, o ministro das Finanças francês, Michel Sapin, disse sexta-feira que no Eurogrupo informal só se falou de um "plano A", a Grécia no euro e na UE, e garantiu que não existem quaisquer planos "B, C, D ou E".

Do mesmo modo, também o ministro austríaco, Jörg Schelling, garantiu que "não há nada de verdade" em informações que dão conta de algum debate em torno de um 'plano B'.

Também o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiro, Pierre Mioscovici, afirmou que "não há um plano B" porque a Grécia "deve permanecer na zona euro"

Segundo o francês, na sexta-feira "não houve pressão", mas exigências às autoridades gregas para avançarem com reformas porque, por um lado, a Grécia tem de respeitar os seus compromissos e, por outro, é o melhor para os gregos e a recuperação da sua economia.

"Creio que vimos nas expressões de Yanis Varoufakis que essa mensagem foi entendida e confio que retomaremos agora as negociações com mais força", considerou.

Os relatos da imprensa dão conta de um ambiente hostil para com Varoufakis na reunião de sexta-feira do Eurogrupo, com muitos ministros a tecerem palavras duras para com a atitude do ministro das Finanças grego.

O próprio presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, admitiu na conferência de imprensa que esta foi uma "discussão muito crítica" e voltou a dizer que "o tempo está a esgotar-se" para a Grécia.

Já a ministra das Finanças de Portugal, Maria Luís Albuquerque, que disse que não interveio na parte da Grécia por não ter nada a acrescentar ao que outros colegas disseram, considerou que o "tom de frustração" dominou essa parte do encontro.

Há já dois meses que a Grécia está a negociar com o chamado Grupo de Bruxelas - constituído por Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e ainda Mecanismo Europeu de Estabilidade - reformas estruturais e medidas de consolidação orçamental para que possa aceder à última tranche do programa de resgate, de 7,2 mil milhões de euros.

Os parceiros europeus estão já cansados do arrastar das negociações, sem qualquer progresso evidente, e crescem os receios de que o país possa entrar em incumprimento ('default') ao falhar pagamentos.

Também na conferência de imprensa de sexta-feira, o presidente do BCE, Mario Draghi, quando questionado sobre até quando os bancos gregos irão manter o acesso à linha de emergência, respondeu que acontecerá enquanto forem solventes e tiverem colateral para darem como garantia, mas falou na deterioração de colateral que a atual situação está a provocar, podendo a instituição vir a fazer mais exigências em troca da concessão de dinheiro. 

  • Eurogrupo reunido sem perspetivas de acordo sobre a Grécia
    0:27

    Economia

    O Eurogrupo está hoje reunido em Riga, na Letónia, para analisar o estado das negociações com a Grécia. Os 28 voltam a discutir a situação grega, mas sem perspetivas de chegarem ainda hoje a um acordo. À entrada para o encontro, o Comissário Europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, admitiu que as negociações têm decorrido de forma demasiado lenta.

  • Eurogrupo "frustrado" e sem acordo com a Grécia
    0:25

    Economia

    A reunião do Eurogrupo terminou sem acordo para a Grécia. O país está numa situação cada vez mais difícil. À saída, a ministra das Finanças reconheceu que o acordo é a melhor solução para todas as partes e que houve um tom de frustração durante o encontro.

  • Presidente do Eurogrupo avisa que Grécia está a ficar sem tempo
    0:33

    Economia

    Terminou a reunião do Eurogrupo, em Riga, na Letónia, sem acordo para a Grécia. O presidente do Eurogrupo disse na conferência de imprensa final que houve sinais positivos nas negociações mas que ainda há um longo caminho a percorrer. Jeroen Dusselbloem reforçou que o tempo para a Grécia está a esgotar-se.

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.