sicnot

Perfil

Economia

António Costa e economista francês criticam austeridade como modelo

António Costa e economista francês criticam austeridade como modelo

O economista francês Thomas Piketty está em Portugal e esta manhã encontrou-se com o líder do PS. Autor do livro "O Capital no Século XXI", Thomas Piketty é um crítico de François Hollande mas também da política de austeridade que está a ser seguida na Europa e em especial pela Alemanha.

O secretário-geral do PS e o economista Thomas Piketty recusaram hoje a austeridade como modelo para promover a competitividade e reduzir a dívida, com o francês a responsabilizar Alemanha e França pela situação no sul da Europa.

Uma posição que foi defendida por ambos aos jornalistas, depois de António Costa ter recebido na sede nacional do PS o conceituado economista francês, a quem entregou um exemplar em inglês do cenário macroeconómico elaborado recentemente por um conjunto de economistas socialistas, intitulado "Uma década para Portugal".

"Portugal é um exemplo de facto de que a austeridade não resolve o problema da dívida. Depois de quatro anos de austeridade, com cortes de salários e de pensões e com aumento da carga fiscal, a verdade é que temos hoje uma dívida 30 pontos percentuais acima daquela que tínhamos e com piores condições para poder pagá-la. É preciso pôr termo à política de austeridade", sustentou o líder socialista.

Thomas Piketty já antes tinha feito críticas ao rumo económico-financeiro da União Europeia, falando mesmo em "egoísmo" da Alemanha e da França em relação aos Estados-membros atualmente com maiores dificuldades financeiras, casos de Portugal, Espanha e Grécia.

"Penso que as eleições em Portugal e na Espanha, este ano, podem servir para fazer a diferença, reorientando a Europa. A União Europeia está a cometer um erro grave ao sustentar que pode reduzir o elevado peso da dívida simplesmente com base em mais austeridade. Quando se tem cem por cento ou mais de dívida em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), temos também de olhar para a História e para o que aconteceu com a França e com a Alemanha a seguir à II Guerra Mundial", apontou Thomas Piketty.

De acordo com o economista francês, a via então seguida pela Alemanha e França no pós II Guerra Mundial não passou apenas por objetivos de excedentes orçamentais, "mas também por mais crescimento e por alguma inflação".

"Quando se tem inflação zero e um crescimento muito anémico - a situação atual da zona euro -, é quase impossível reduzir o peso de uma dívida muito elevada. A História comprova que a redução do défice não se faz apenas pela austeridade e é estranho que países como a Alemanha e a França, que nunca pagaram as respetivas dívidas após a II Guerra Mundial, estejam agora a explicar a países como Portugal, Grécia e Espanha que têm de pagar as suas dívidas até ao último euro e que não podem ter inflação nem as respetivas dívidas restruturadas", advertiu.

Mas Thomas Piketty foi ainda mais longe e mais direto nas suas críticas: "A Alemanha e a França têm sido muito egoístas na União Europeia, mas também muito ineficientes nas suas decisões".

"A situação atual na zona euro é de subida do desemprego e de baixo crescimento, o que torna bastante difícil reduzir a dívida e o défice. Penso que a Alemanha e França têm de assumir a sua quota de responsabilidade pela má situação no sul da Europa. É fundamental reorientar a política económica europeia", disse, antes de responsabilizar pelos erros cometidos na União Europeia quer os governos conservadores (como o de Nicolas Sarkozy), quer socialistas (como o de François Hollande). 

Perante os jornalistas, o secretário-geral do PS defendeu soluções para ultrapassar a atual conjuntura como a diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, tendo em vista penalizar menos os salários, e criação de um imposto sobre as grandes heranças.

"A questão da igualdade é hoje central para o desenvolvimento económico", advogou o líder socialista, fazendo um elogio ao trabalho académico de Thomas Piketty.

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twitter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.