sicnot

Perfil

Economia

Paulo Portas na Bolsa de Nova Iorque para "vender, vender, vender"

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, iniciou hoje na Bolsa de Nova Iorque uma viagem aos Estados Unidos com o objetivo de captar investimento estrangeiro e estimular as exportações.

M\303\201RIO CRUZ

"Esta visita podia resumir-se em duas palavras: vender, vender, vender, exportações portuguesas, marcas portuguesas, produtos portugueses; captar, captar, captar, investimento, porque esta é a altura de olhar para Portugal a sério", disse Paulo Portas em declarações à agência Lusa. 

Durante a visita, Paulo Portas reuniu-se com representantes da bolsa nova-iorquina, incluindo o seu presidente, Tom Farley. 

Durante as conversas, o responsável lembrou os valores do crescimento económico, das exportações, os números "extraordinários" do turismo e "os melhores índices de confiança de consumidores desde 2002 e de empresas desde 2008".

"Há uma explicação que é preciso dar todos os dias sobre a situação económica em Portugal", disse o responsável à Lusa. 

Paulo Portas participa ainda hoje na IV Reunião das Câmaras Portuguesas no Estrangeiro.

"[Estas instituições] ajudam a promover as nossas marcas, os nossos produtos. Há uns anos [as exportações] eram 28% do PIB [Produto Interno Bruto], agora são 41% e vão continuar a subir", afirmou Paulo Portas. 

O vice-primeiro-ministro lembrou ainda a importância dos Estados Unidos da América (EUA), recordando que cerca de 2.500 empresas portuguesas exportam atualmente para o país.  

"Os EUA eram o nosso sexto mercado e neste momento são o quinto. Nos últimos quatro anos, [as exportações] passaram de 1.100 milhões de euros para 2.100 [milhões]. Praticamente duplicaram", disse, garantindo que estes valores podem continuar a crescer. 

Lusa
  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.