sicnot

Perfil

Economia

Adesão à greve do Metropolitano de Lisboa "é elevada"

 A adesão dos trabalhadores à greve do Metropolitano de Lisboa era às 07:00 "elevada", encontrando-se as portas das estações encerradas até às 10:00, disse à agência Lusa a sindicalista Anabela Carvalheira. 

Miguel A.Lopes

"A adesão à greve é elevada. São níveis de adesão similares aos das outras lutas, uma vez que os pressupostos não se alteraram", disse à Lusa Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

De acordo com a sindicalista, os trabalhadores prosseguem a sua luta contra a privatização da empresa, em defesa dos postos de trabalho e de um serviço público de qualidade.

"Estamos numa parte muito próxima e final da abertura dos cadernos de encargos e os trabalhadores continuam determinados na sua luta", referiu.

Os trabalhadores contestam a subconcessão do Metro - atualmente em concurso público até 14 de maio - decidida pelo Governo.

O Metropolitano de Lisboa prevê começar a funcionar hoje apenas a partir das 10:00, devido à quarta greve parcial decretada este ano pelos sindicatos representativos dos trabalhadores.

De acordo com a Fectrans, os trabalhadores estão descontentes com a existência de "problemas concretos de trabalho da maior parte das categorias profissionais e a redução cada vez mais acentuada do número de trabalhadores"e a defesa do Metropolitano enquanto empresa pública.

Numa nota, a Transportes de Lisboa, que gere o Metropolitano, informou que, "por motivo de greve parcial convocada pelas organizações sindicais representativas dos trabalhadores" da empresa, o serviço de transporte vai estar suspenso "entre as 06:30 [hora habitual de abertura] e as 09:30", prevendo-se que "a circulação esteja normalizada a partir das 10:00".

Devido à greve, a Carris reforçará com um número suplementar de autocarros as carreiras que coincidem com os eixos servidos pelo Metro, designadamente as carreiras 726 (Sapadores-Pontinha), 736 (Cais do Sodré-Odivelas), 744 (Marquês de Pombal-Moscavide) e 746 (Marquês de Pombal-Estação da Damaia), acrescentou.

A greve de hoje é a quarta greve parcial no Metro desde o início do ano. Foram já realizadas greves semelhantes a 24 de fevereiro e a 16 e 18 de março.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa e os da rodoviária Carris agendaram greves de 24 horas contra a subconcessão das empresas para 12 e 14 de maio, respetivamente.


Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.