sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal instaurou 64 processos de contraordenação contra 25 instituições em 2014

O Banco de Portugal (BdP) abriu 64 processos de contraordenação contra 25 instituições no ano passado, mais oito do que em 2013, a maioria dos quais resultantes da análise feita às reclamações dos clientes bancários, revelou hoje o supervisor.

(SIC/ Arquivo)

Paralelamente, o BdP emitiu 770 recomendações e determinações específicas, exigindo a 75 instituições a correção das irregularidades e incumprimentos detetados, de acordo com a informação disponível no Relatório de Supervisão Comportamental 2014.

A entidade liderada por Carlos Costa concluiu 27 processos de contraordenação em 2014, aplicando coimas no total de cerca de 500 mil euros.

De resto, o BdP levou a cabo 868 ações de inspeção, que abrangeram 96 entidades. Destas, 465 foram aos balcões, 31 aos serviços centrais e 372 à distância.

Nota para o aumento significativo do peso das ações de inspeção no local, entre credenciadas e através da técnica do "cliente mistério", que em conjunto ascenderam a 57% quando, em 2013, ficaram nos 27%.



Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.