sicnot

Perfil

Economia

Carlos Silva junta-se ao protesto dos inspectores do trabalho em Lisboa

Dezenas de trabalhadores da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), vestidos de preto, protestam hoje em Lisboa em frente ao Centro Cultural Casapiano, onde se comemora o Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho. O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, juntou-se ao protesto como "demonstração de solidariedade por uma luta que é justa".

Secretário-geral da UGT, Carlos Silva (Lusa/Arquivo)

Secretário-geral da UGT, Carlos Silva (Lusa/Arquivo)

MIGUEL A. LOPES

"Estamos de preto porque, como trabalhadores da ACT, estamos de luto", disse a presidente do Sindicato dos Inspetores do Trabalho (SIT), Armanda Carvalho.

 

Desde as 00:00 de hoje, e por 24 horas, decorre uma greve dos trabalhadores da ACT, a primeira realizada em 20 anos, num protesto contra a falta de condições de trabalho.

 

"Precisamos de mais inspetores e técnicos de formação superior para que os atuais 250 inspetores, que são poucos, não sejam desviados para outras funções [que não as de inspeção] ", alertou Armanda Carvalho.

 

Na opinião da sindicalista, são necessários 500 inspetores, mas neste momento estão em funções 300, dos quais 50 com tarefas mais administrativas, como a instrução de processos de contraordenação às empresas.

 

Carlos Silva criticou ainda "o esvaziamento de poderes" da ACT, promovido pela tutela, que retirou a esta Autoridade a inspeção das condições de trabalho da administração pública, que é agora da responsabilidade do Ministério das Finanças.

 

"Que o Estado é mau patrão já todos sabemos", disse Carlos Silva, lamentando a falta de inspeção às condições de trabalho dos funcionários públicos.

 

José Abraão, secretário-geral do Sindicato Trabalhadores Administração Pública (SINTAP), falou mesmo numa "catástrofe nacional" de mortes por acidentes de trabalho: "Por ano, morrem 140 trabalhadores, este ano já foram mais de 30, podia haver uma redução de acidentes com outro tipo de intervenção".

 

Em frente ao local do protesto dos trabalhadores da ACT, no Centro Cultural Casapiano, estiveram a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, o inspetor-geral da ACT, Pedro Pimenta Braz, e representantes dos grupos parlamentares, para assinalar o Dia Nacional e Internacional da Prevenção, Segurança e Saúde no Trabalho.


Com Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.