sicnot

Perfil

Economia

Catarina Martins condena "fanatismo ideológico" no Eurogrupo

A porta-voz do BE condenou hoje a "intransigência" e o "fanatismo ideológico" do Eurogrupo para com a Grécia, ao comentar o afastamento do ministro grego das Finanças das negociações com as instituições parceiras.

FERNANDO VELUDO

"Tudo o que tem existido do outro lado é intransigência, fanatismo ideológico. Registo que no Eurogrupo, nos 18 governos que se têm oposto, 13 têm a presença ou estão em coligação com partidos sociais-democratas ou socialistas. Vemos como tem existido esta barragem a uma alternativa", lamentou Catarina Martins, após uma encontro com a Ordem dos Médicos, em Lisboa.

A reunião tinha em vista o debate parlamentar de urgência requerido pelos bloquistas para 07 de maio sobre a "situação da Saúde em Portugal" e a dirigente do BE citou declarações recentes de Yanis Varoufakis a convidar os homólogos continentais a visitar as urgências hospitalares helénicas, aproveitando assim para alertar para o colapso do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Como dizia o ministro grego das Finanças, talvez não fosse mau convidar os ministros das Finanças do Eurogrupo a visitar as urgências do seu país. Bem sei que a situação em Portugal não é tão grave como na Grécia, não é comparável, mas não seria mau também perguntar se, em Portugal, os ministros das Finanças iriam às urgências do Serviço Nacional de Saúde", disse.

Ainda sobre a situação grega, para a deputada bloquista, "tem existido uma chantagem enorme por parte do Eurogrupo e do Conselho Europeu contra a possibilidade de um Governo fazer aquele que é o mandato que lhe deu o seu povo, uma política diferente da austeridade" e "a Grécia não pede o paraíso na Terra", mas apenas cumprir o prometido durante a campanha eleitoral -- 'não cortar mais as pensões'".

Relativamente ao contexto português, Catarina Martins sublinhou que "hoje, o descaso entre os números que o Governo apresenta da Saúde e a realidade concreta que as pessoas vivem quando recorrem ao SNS, mostram que o problema é grave e tem de ser debatido".

"Tivemos um secretário de Estado da Saúde a dizer, face ao colapso visível, que considerava que as urgências funcionavam bem e as pessoas estavam bem instaladas. De lá até cá, o Governo não disse mais uma palavra. Não vimos o ministro da Saúde ou o primeiro-ministro virem a público reconhecer o problema. Silêncio absoluto, quando vivemos um problema grave de as pessoas não saberem se podem confiar nas urgências", lamentou.



Lusa
  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC