sicnot

Perfil

Economia

Economia do Reino Unido desacelera ao crescer 0,3% no primeiro trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido cresceu 0,3% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo precedente, informou hoje a agência nacional de estatísticas britânica (ONS, nas siglas em inglês).

© Luke MacGregor / Reuters

Esta é a última estimativa da economia britânica antes das eleições gerais de 7 de maio. 

O dado é inferior ao esperado e representa uma desaceleração do crescimento económico no primeiro trimestre, depois do PIB ter registado um acréscimo de 0,6% nos últimos três meses de 2014.

O crescimento no primeiro trimestre deste ano foi o menor trimestral desde finais de 2012.

O setor dos serviços registou uma melhoria, ao crescer 0,5%, enquanto os outros três principais setores da economia britânica registaram decréscimos, designadamente quedas de 1,6% no da construção, de 0,1% no da indústria e de 0,2% no da agricultura. 

Segundo a ONS, o PIB cresceu 2,4% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2014. 

A agência sublinhou que ainda tem que reunir mais dados para alcançar a estimativa final do PIB nos primeiros três meses deste ano. 

Os analistas sublinharam que a queda do setor industrial resultou em parte da diminuição das receitas de petróleo no Mar do Norte devido à forte queda dos preços do petróleo. 

Estes números representam uma má notícia para o Governo liderado pelo primeiro-ministro, o conservador David Cameron, que tem defendido a recuperação da economia para procurar ser reeleito nas eleições gerais de 7 de maio. 

Neste sentido, Cameron afirmou na sua conta da rede social 'Twitter' que os números mostram que "a economia ainda está a crescer, mas que ainda não se pode dar como dada a recuperação", pelo que pede aos eleitores para "não arriscarem" as melhorias votando nos trabalhistas. 

Por outro lado, o ministro da Economia, George Osborne, sublinhou que o aumento é "uma boa notícia" para a economia, mas sublinhou que o país está num "momento crítico", referindo-se ao resultado das eleições, já que tudo indica que nenhuma das principais formações - conservadora e trabalhista - obterá maioria absoluta. 



Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa