sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da Inspeção do Trabalho fazem hoje a primeira greve em 20 anos

Os trabalhadores da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) estão hoje em greve, a primeira em 20 anos, em protesto contra as más condições de trabalho, estando prevista uma concentração destes funcionários em Lisboa.

A greve, que foi convocada pelo Sindicato dos Inspetores do Trabalho (STI) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), pretende chamar a atenção do Governo para a falta de condições de trabalho, nomeadamente a sobrecarga de trabalho administrativo, que reduz o tempo disponível para as inspeções nas empresas.

 

Pelas 9:30 de hoje os trabalhadores da ACT deverão concentrar-se em frente ao Centro Cultural Casapiano, em Lisboa.

 

O protesto, que acontece no Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho e no Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho, deverá contar com as presenças do secretário-geral da UGT, Carlos Silva, do secretário-geral do SINTAP, José Abraão, e com a presidente do SIT, Armanda Carvalho.

 

"As pessoas atingiram o seu limite e têm o direito à indignação. Por isso convocámos esta greve, que é a primeira em 20 anos, marcada especificamente para os nossos serviços", tinha já dito à agência Lusa a presidente do SIT, Armanda Carvalho.

 

O secretário-geral do SINTAP, José Abraão, afirmou que a data para a paralisação"foi escolhida simbolicamente porque os trabalhadores da ACT não têm condições para fiscalizar as empresas de modo a verificar se estão a ser cumpridas as boas práticas defendidas neste dia".

 

Esta greve de 24 horas abrange todas as carreiras da ACT, nomeadamente inspetores, técnicos superiores, assistentes técnicos e assistentes operacionais, num total de cerca de 700 trabalhadores.

 

"Na origem da convocação desta greve está o permanente desrespeito para com estes trabalhadores, que exigem a dignificação das suas carreiras, o respeito pelos respetivos conteúdos funcionais e melhores condições de trabalho", disse, na altura, o sindicalista.


Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.