sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da Inspeção do Trabalho fazem hoje a primeira greve em 20 anos

Os trabalhadores da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) estão hoje em greve, a primeira em 20 anos, em protesto contra as más condições de trabalho, estando prevista uma concentração destes funcionários em Lisboa.

A greve, que foi convocada pelo Sindicato dos Inspetores do Trabalho (STI) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), pretende chamar a atenção do Governo para a falta de condições de trabalho, nomeadamente a sobrecarga de trabalho administrativo, que reduz o tempo disponível para as inspeções nas empresas.

 

Pelas 9:30 de hoje os trabalhadores da ACT deverão concentrar-se em frente ao Centro Cultural Casapiano, em Lisboa.

 

O protesto, que acontece no Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho e no Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho, deverá contar com as presenças do secretário-geral da UGT, Carlos Silva, do secretário-geral do SINTAP, José Abraão, e com a presidente do SIT, Armanda Carvalho.

 

"As pessoas atingiram o seu limite e têm o direito à indignação. Por isso convocámos esta greve, que é a primeira em 20 anos, marcada especificamente para os nossos serviços", tinha já dito à agência Lusa a presidente do SIT, Armanda Carvalho.

 

O secretário-geral do SINTAP, José Abraão, afirmou que a data para a paralisação"foi escolhida simbolicamente porque os trabalhadores da ACT não têm condições para fiscalizar as empresas de modo a verificar se estão a ser cumpridas as boas práticas defendidas neste dia".

 

Esta greve de 24 horas abrange todas as carreiras da ACT, nomeadamente inspetores, técnicos superiores, assistentes técnicos e assistentes operacionais, num total de cerca de 700 trabalhadores.

 

"Na origem da convocação desta greve está o permanente desrespeito para com estes trabalhadores, que exigem a dignificação das suas carreiras, o respeito pelos respetivos conteúdos funcionais e melhores condições de trabalho", disse, na altura, o sindicalista.


Lusa

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Marcelo comenta comparação de Centeno a Ronaldo

    País

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou esta quarta-feira a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Ronaldo, considerando que "quem quer que disse isso, por uma vez não pensou mal".