sicnot

Perfil

Economia

BPI passa de prejuízo a lucro de 31 milhões de euros no primeiro trimestre

O Banco BPI registou um resultado líquido de 30,9 milhões de euros entre janeiro e março, um valor que compara com o prejuízo de 104,8 milhões de euros no primeiro trimestre de 2014, revelou hoje a entidade.

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"O lucro líquido consolidado no primeiro trimestre de 2015 decorre de um contributo da atividade doméstica negativo em 2,0 milhões de euros e de um contributo positivo da atividade internacional de 32,8 milhões de euros", destacou em comunicado o banco liderado por Fernando Ulrich.

A instituição sublinhou que "no trimestre homólogo de 2014, o resultado líquido negativo de 104,8 milhões de euros fora muito penalizado por custos e perdas não recorrentes de 123,3 milhões de euros registados na atividade doméstica".

Em causa estão as menos-valias 101,6 milhões de euros realizadas com a venda de dívida pública de médio e longo prazo de Portugal e Itália, custos de 14 milhões de euros com juros das obrigações subordinadas de conversão contingente e outros custos extraordinários negativos de 7,7 milhões de euros.

A margem financeira progrediu quase 38% para 154,2 milhões de euros, com as comissões e outros proveitos a subirem 3,1% para 73,9 milhões de euros.

Nota para o resultado apurado na rubrica de ganhos e perdas em operações financeiras, que ascendeu a 47,6 milhões de euros, quando no trimestre homólogo do ano passado tinha sido negativo em 91,7 milhões de euros.

Assim, o produto bancário ascendeu a 280,2 milhões de euros, quase o triplo face aos 94,8 milhões de euros apurados no primeiro trimestre de 2014.

Ao nível dos custos, houve um aumento de 5,6% para 165,5 milhões de euros, tendo o resultado operacional passado de 62 milhões de euros negativos para 114,7 milhões de euros positivos.

As provisões e imparidades para crédito recuaram de 45,3 milhões de euros para 36,6 milhões de euros, com o resultado antes de impostos a passar de 106,4 milhões de euros negativos para 74,2 milhões de euros positivos.

O BPI fechou o trimestre com um rácio common equity tier 1 de 10,5% (segundo as regras para 2014) e de 9,1% (face à implementação total das novas regras europeias).

Os depósitos ascendiam a 18,8 mil milhões de euros, menos 0,5% do que no período homólogo de 2014. Já o crédito a clientes era de 23,1 mil milhões de euros, pelo que, no final de março, o rácio de transformação de depósitos em crédito era de 83%.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".