sicnot

Perfil

Economia

BPI passa de prejuízo a lucro de 31 milhões de euros no primeiro trimestre

O Banco BPI registou um resultado líquido de 30,9 milhões de euros entre janeiro e março, um valor que compara com o prejuízo de 104,8 milhões de euros no primeiro trimestre de 2014, revelou hoje a entidade.

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"O lucro líquido consolidado no primeiro trimestre de 2015 decorre de um contributo da atividade doméstica negativo em 2,0 milhões de euros e de um contributo positivo da atividade internacional de 32,8 milhões de euros", destacou em comunicado o banco liderado por Fernando Ulrich.

A instituição sublinhou que "no trimestre homólogo de 2014, o resultado líquido negativo de 104,8 milhões de euros fora muito penalizado por custos e perdas não recorrentes de 123,3 milhões de euros registados na atividade doméstica".

Em causa estão as menos-valias 101,6 milhões de euros realizadas com a venda de dívida pública de médio e longo prazo de Portugal e Itália, custos de 14 milhões de euros com juros das obrigações subordinadas de conversão contingente e outros custos extraordinários negativos de 7,7 milhões de euros.

A margem financeira progrediu quase 38% para 154,2 milhões de euros, com as comissões e outros proveitos a subirem 3,1% para 73,9 milhões de euros.

Nota para o resultado apurado na rubrica de ganhos e perdas em operações financeiras, que ascendeu a 47,6 milhões de euros, quando no trimestre homólogo do ano passado tinha sido negativo em 91,7 milhões de euros.

Assim, o produto bancário ascendeu a 280,2 milhões de euros, quase o triplo face aos 94,8 milhões de euros apurados no primeiro trimestre de 2014.

Ao nível dos custos, houve um aumento de 5,6% para 165,5 milhões de euros, tendo o resultado operacional passado de 62 milhões de euros negativos para 114,7 milhões de euros positivos.

As provisões e imparidades para crédito recuaram de 45,3 milhões de euros para 36,6 milhões de euros, com o resultado antes de impostos a passar de 106,4 milhões de euros negativos para 74,2 milhões de euros positivos.

O BPI fechou o trimestre com um rácio common equity tier 1 de 10,5% (segundo as regras para 2014) e de 9,1% (face à implementação total das novas regras europeias).

Os depósitos ascendiam a 18,8 mil milhões de euros, menos 0,5% do que no período homólogo de 2014. Já o crédito a clientes era de 23,1 mil milhões de euros, pelo que, no final de março, o rácio de transformação de depósitos em crédito era de 83%.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Incêndio em Alfragide deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação em Alfragide, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa