sicnot

Perfil

Economia

Estado arrecada mais 78 milhões de euros em certificados de aforro e do tesouro em março

O Estado arrecadou mais 78 milhões de euros em certificados de aforro e do tesouro em março, depois de ter registado uma queda em fevereiro, o que decorreu da alteração da política de remuneração destes instrumentos de poupança das famílias.

© Pascal Lauener / Reuters

De acordo com o boletim mensal da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), hoje publicado, no final de março, o Estado tinha 19.257 milhões de euros em certificados de aforro e do tesouro, um aumento de 78 milhões de euros face a fevereiro.

Em março os portugueses investiram 128 milhões de euros nestes dois instrumentos de poupança do Estado e amortizaram 50 milhões de euros, tendo os cofres do Estado arrecadado 78 milhões de euros em março, em termos líquidos.

No final do primeiro trimestre, o Estado tinha 12.636 milhões de euros em certificados de aforro e 6.621 milhões de euros em certificados do tesouro, num total de 19.257 milhões de euros em ambos os títulos de dívida.

Comparando com o final de 2014, em que as famílias tinham investidos 17.189 milhões de euros nos dois tipos de certificados, verificou-se um aumento de 2.068 milhões de euros entre janeiro e março.

A nova série de Certificados de Aforro, a D, ficou disponível a partir de 2 de fevereiro, com uma taxa bruta de subscrição de 1,058%.

As séries anteriores mantiveram as condições de remuneração, sendo que os Certificados de Aforro da série C subscritos em janeiro pagam taxas de juro anual de 3,069%. 

Em dezembro, antes de ser conhecida a redução dos juros nestes instrumentos, as famílias portuguesas investiram quase 600 milhões de euros e resgataram 73 euros, tendo o Estado arrecadado assim 527 milhões de euros.

Também as condições de remuneração dos Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM) foram alteradas, passando para 1,25% a um ano, menos 1,50 pontos percentuais do que a taxa anteriormente em vigor, de 2,75%. 

A taxa dos CTPM a dois anos desceu para 1,75%, em vez dos 3,75% anteriores, a três anos caiu para 2,25% (contra 4,75%), a quatro anos baixou para 2,75% (5,00%) e a cinco anos passou para 3,25% (face aos anteriores 5,00%).

A estas taxas base da nova série dos certificados de aforro acrescem prémios de permanência de 0,5% do 2.º ao 5.º ano e 1% do 6.º ao 10.º ano.

Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.