sicnot

Perfil

Economia

Desmantelada em Espanha rede de contrafação que operava a partir de Portugal

A Guardia Civil espanhola anunciou hoje o desmantelamento, em colaboração com a ASAE, de uma rede que atuava a partir de Valença, no Alto Minho, para 16 províncias galegas na distribuição de contrafação e uso ilegal de marca. 

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Em comunicado hoje enviado à agência Lusa, aquela força policial espanhola adiantou que da operação resultaram, "até ao momento", dez detidos e nove acusados e apreendidos mais de 30 mil artigos de roupa e calçado, no valor total de dois milhões de euros, bem como, de 22 mil euros em dinheiro.

Os artigos apreendidos, no âmbito de uma operação conjunta entre a Guardia Civil e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), "entravam" no país vizinho através da fronteira de Valença/ Tui e eram distribuídos "por toda a Espanha".

Entre os detidos estão três portugueses, de 24, 35 e 59 anos de idades, considerados os "cabecilhas" daquela rede, cujo "centro de operações" estava instalado em Valença.

"A atuação da ASAE permitiu a entrada em duas fábricas de confeção de têxteis contrafeitos, em dois armazéns, seis lojas e quatro residências em Valença, Póvoa de Lanhoso, Guimarães e Caldas das Taipas", lê-se no comunicado enviado à imprensa.

Os portugueses foram detidos em Pontevedra, na Galiza, e os restantes em Cantabria, Gijón, Léon, Palencia, Málaga e Huelva, enquanto os nove acusados encontravam-se em Almería, Oviedo, Córdoba, Murcia, Ourense e Girona.


Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras