sicnot

Perfil

Economia

Embraer com prejuízo de 59,2 milhões de euros no 1º trimestre

A fabricante brasileira de aviões Embraer terminou o primeiro trimestre deste ano com um prejuízo líquido atribuído aos acionistas de 196 milhões de reais (52,9 milhões de euros), divulgou hoje a empresa.

(Reuters/ Arquivo)

O prejuízo por ação foi de 0,268 centavos de real (0,081 centavos de euro). O resultado, segundo a companhia, foi motivado pela despesa de imposto de renda no início do ano, de 350,9 milhões de reais (105,97 milhões de euros), valor que sofreu a influência da variação do câmbio.

 

O lucro líquido ajustado da empresa no período, excluindo-se o imposto de rendimento e contribuição social diferidos, foi de 131,2 milhões de reais (39,6 milhões de euros).

 

A Embraer informou ter encerrado o primeiro trimestre do ano com uma posição de caixa total de 5.800 milhões de reais (1.750 milhões de euros) e uma dívida líquida de 1.865 milhões de reais (563 milhões de euros).

 

O Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) da empresa foi de 429 milhões de reais (129,5 milhões de euros) no primeiro trimestre de 2015, face aos 354,7 milhões de reais (106,9 milhões de euros) do mesmo período do ano anterior.

 

O número de aeronaves entregues no primeiro trimestre deste ano foi de 20 comerciais e 12 executivas. A carteira de pedidos firmes ("backlog") terminou o período em 20.400 milhões de dólares (18.200 milhões de euros).


Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.