sicnot

Perfil

Economia

McDonald's prevê fechar 700 restaurantes em 2015

Só nos primeiros meses de 2015, a McDonald's já encerrou 350 lojas na China, Japão e EUA e prevê encerrar mais 350 até ao final do ano. Isto, duas semanas depois da cadeia norte-americana anunciar perdas de lucros na ordem dos 36%.

© Lucy Nicholson / Reuters

A procura por comida mais saudável é apontada como a principal razão do declínio dos restaurantes de fast food, e a McDonalds não é exceção.


Anthony Gucciardi, especialistas norte-americanos em comida saudável, autor do site  Natural Society explica que "a tendência mundial neste momento é perguntar o que se está a comer." 

A nova vaga de restaurantes, com produtos orgânicos está a criar um novo ambiente económico. "As pessoas estão fartas de se alimentarem de lixo, e não o vão usar mais para alimentarem os seus corpos", afirma Gucciardi.

A McDonald's não pára de apresentar prejuízos. Há cerca de duas semanas foram anunciados prejuízos na ordem dos 36%, razão que levou a cadeia de restaurantes norte-americana a anunciar o encerramento de lojas. 
Para já fecharam 350 restaurantes. Até ao final do ano fecham mais 350.

Por cá, não está previsto o encerramento de lojas. Ao site da SIC Notícias, a McDonald's Portugal garantiu que está prevista a "abertura de novos restaurantes, uma média de cinco por ano, nos próximos três anos". 


 
 


  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.