sicnot

Perfil

Economia

PT SGPS regista prejuízos de 289,2 milhões

A PT SGPS registou um prejuízo de 289,2 milhões de euros em 2014, valor que inclui lucros da fusão com a Oi, o impacto do investimento da Rioforte na desvalorização das ações e consolidação das perdas da operadora brasileira.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a PT SGPS explicou que "os resultados estão incluídos em operações descontinuadas e que até maio refletem a situação anterior ao aumento de capital da Oi".

Os 289,2 milhões de euros de prejuízos refletem os lucros de 700 milhões de euros da fusão entre a empresa e a brasileira Oi, o 'write-off' (retirar das contas) de prejuízos fiscais de 208 milhões de euros, a depreciação das ações da permuta e a consolidação das perdas da Oi, estas duas devido ao impacto do investimento na Rioforte.

Em 2013, a PT SGPS registou um lucro de 388 milhões de euros.

Já em 2014, o resultado antes de impostos foi negativo em 795 milhões de euros, o EBITDA (lucros brutos) foi negativo em 26,6 milhões de euros e o resultado das operações descontinuadas atingiu os 759,2 milhões de euros negativos.

"Foi um ano muito atípico e extraordinário", disse o presidente do Conselho de Administração da PT SGPS, João Mello Franco, após a apresentação de resultados. 

O responsável afirmou que, independentemente de toda a situação que surgiu com o investimento na Rioforte [e não reembolso] obrigando à renegociação da fusão com a Oi, 2014 seria sempre "atípico", já que a passagem das operações, como a PT Portugal, para operadora brasileira, no âmbito do aumento de capital de 05 de maio, tornou "automaticamente a PT SGPS numa empresa diferente".

A empresa registou perdas em ativos financeiros de 362 milhões de euros, devido à desvalorização que as ações de permuta tiveram desde 08 de setembro até ao final do ano passado, ou seja, à perda de valor das ações da Oi no mercado.

A PT SGPS apresentou ainda perdas em empreendimentos conjuntos de 378,6 milhões de euros. 

"Isto é a consolidação dos resultados da Oi, que reportou 1,3 mil milhões de euros de perdas de 2014, e nós tivemos de consolidar pelo método de equivalência patrimonial a nossa percentagem", de forma a ajustar o valor contabilístico da PT Portugal, no âmbito do acordo celebrado com a Altice, explicou Rafael Mora, administrador da PT SGPS e da Oi.

A PT SGPS revela ainda que acabou com a provisão de 15,3 milhões de euros para bónus diferidos (remunerações variáveis) dos antigos responsáveis da empresa Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Luís Pacheco de Melo. 

 "O Conselho de Administração da PT e a sua comissão de vencimentos decidiram que não vão pagar. Como não vão pagar, não reconhecem essa dívida com eles, logo é óbvio que há que desfazer uma provisão de 15,3 milhões de euros", disse Rafael Mora. 

Questionado sobre qual a reação daqueles responsáveis ao fim desta provisão, João Mello Franco afirmou que "se quiserem pôr [a empresa] em tribunal que ponham", lembrando, contudo, as conclusões do relatório da comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES) que indica que os antigos presidentes da Portugal Telecom (PT) Henrique Granadeiro e Zeinal Bava sabiam dos investimentos da operadora no GES.

Os responsáveis afirmaram que não serão distribuídos dividendos e que estes só voltarão eventualmente a ser atribuídos se a empresa regressar aos lucros.

A PT SGPS passou a ter direta e indiretamente 27,5% da Oi, após a assinatura do novo acordo com a operadora brasileira e a execução da permuta a 30 de março deste ano.

A PT SGPS detém ainda os instrumentos da Rioforte e a opção de compra sobre 47.434.872 ações ordinárias e sobre 94.869.744 ações preferenciais da Oi.


Lusa
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.