sicnot

Perfil

Economia

PT SGPS regista prejuízos de 289,2 milhões

A PT SGPS registou um prejuízo de 289,2 milhões de euros em 2014, valor que inclui lucros da fusão com a Oi, o impacto do investimento da Rioforte na desvalorização das ações e consolidação das perdas da operadora brasileira.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a PT SGPS explicou que "os resultados estão incluídos em operações descontinuadas e que até maio refletem a situação anterior ao aumento de capital da Oi".

Os 289,2 milhões de euros de prejuízos refletem os lucros de 700 milhões de euros da fusão entre a empresa e a brasileira Oi, o 'write-off' (retirar das contas) de prejuízos fiscais de 208 milhões de euros, a depreciação das ações da permuta e a consolidação das perdas da Oi, estas duas devido ao impacto do investimento na Rioforte.

Em 2013, a PT SGPS registou um lucro de 388 milhões de euros.

Já em 2014, o resultado antes de impostos foi negativo em 795 milhões de euros, o EBITDA (lucros brutos) foi negativo em 26,6 milhões de euros e o resultado das operações descontinuadas atingiu os 759,2 milhões de euros negativos.

"Foi um ano muito atípico e extraordinário", disse o presidente do Conselho de Administração da PT SGPS, João Mello Franco, após a apresentação de resultados. 

O responsável afirmou que, independentemente de toda a situação que surgiu com o investimento na Rioforte [e não reembolso] obrigando à renegociação da fusão com a Oi, 2014 seria sempre "atípico", já que a passagem das operações, como a PT Portugal, para operadora brasileira, no âmbito do aumento de capital de 05 de maio, tornou "automaticamente a PT SGPS numa empresa diferente".

A empresa registou perdas em ativos financeiros de 362 milhões de euros, devido à desvalorização que as ações de permuta tiveram desde 08 de setembro até ao final do ano passado, ou seja, à perda de valor das ações da Oi no mercado.

A PT SGPS apresentou ainda perdas em empreendimentos conjuntos de 378,6 milhões de euros. 

"Isto é a consolidação dos resultados da Oi, que reportou 1,3 mil milhões de euros de perdas de 2014, e nós tivemos de consolidar pelo método de equivalência patrimonial a nossa percentagem", de forma a ajustar o valor contabilístico da PT Portugal, no âmbito do acordo celebrado com a Altice, explicou Rafael Mora, administrador da PT SGPS e da Oi.

A PT SGPS revela ainda que acabou com a provisão de 15,3 milhões de euros para bónus diferidos (remunerações variáveis) dos antigos responsáveis da empresa Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Luís Pacheco de Melo. 

 "O Conselho de Administração da PT e a sua comissão de vencimentos decidiram que não vão pagar. Como não vão pagar, não reconhecem essa dívida com eles, logo é óbvio que há que desfazer uma provisão de 15,3 milhões de euros", disse Rafael Mora. 

Questionado sobre qual a reação daqueles responsáveis ao fim desta provisão, João Mello Franco afirmou que "se quiserem pôr [a empresa] em tribunal que ponham", lembrando, contudo, as conclusões do relatório da comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES) que indica que os antigos presidentes da Portugal Telecom (PT) Henrique Granadeiro e Zeinal Bava sabiam dos investimentos da operadora no GES.

Os responsáveis afirmaram que não serão distribuídos dividendos e que estes só voltarão eventualmente a ser atribuídos se a empresa regressar aos lucros.

A PT SGPS passou a ter direta e indiretamente 27,5% da Oi, após a assinatura do novo acordo com a operadora brasileira e a execução da permuta a 30 de março deste ano.

A PT SGPS detém ainda os instrumentos da Rioforte e a opção de compra sobre 47.434.872 ações ordinárias e sobre 94.869.744 ações preferenciais da Oi.


Lusa
  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52