sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da TAP acusam Governo de fazer "chantagenzinha"

A comissão de trabalhadores da TAP voltou hoje a pedir a travagem da privatização da empresa por parte do Governo, acusando-o de fazer "uma chantagenzinha" com a ameaça de reestruturação e corte de pessoal.

Um piloto da TAP passa junto de trabalhadores da mesma empresa que participaram numa marcha silenciosa para mostrar que estão "em completo desacordo" com a greve de dez dias dos pilotos, que se inicia na sexta-feira, dia 1 de maio.

Um piloto da TAP passa junto de trabalhadores da mesma empresa que participaram numa marcha silenciosa para mostrar que estão "em completo desacordo" com a greve de dez dias dos pilotos, que se inicia na sexta-feira, dia 1 de maio.

MIGUEL A. LOPES

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, em entrevista à SIC Notícias na noite de quarta-feira, admitiu um cenário de despedimentos e o encerramento da TAP em caso de greve. Segundo o responsável governamental, a greve de 10 dias dos pilotos vai colocar problemas financeiros sérios à TAP.

Os trabalhadores referem, em comunicado, que a "ameaça de reestruturação é em parte uma chantagenzinha do tipo, 'ou aceitam a privatização ou levam com uma reestruturação'", acusando o Governo de, com os seus "únicos e criminosos objetivos" que são a criação de "oportunidades de negócio aos amigos, servir os interesses daquilo a que se chama o grande capital".

Perante esta situação, os trabalhadores referem no comunicado que "se impõe a travagem definitiva das tentativas de privatizar a TAP, que a tutela deixe de ser um elemento desestabilizador da TAP, e que pelo contrário, um conjunto de políticas públicas seja desenvolvido para potenciar o papel da TAP enquanto geradora de riqueza para o país, promotora de emprego de qualidade, dinamizadora da atividade económica".

Para a comissão de trabalhadores, "é falso que a única alternativa a privatizar seja a insolvência ou a reestruturação".

O comunicado refere que a TAP "vive hoje sob duas ameaças, ambas muito sérias e ambas com a mesma origem, o atual Governo": o processo de privatização em curso e o processo de reestruturação.

Segundo os trabalhadores, "está hoje em curso uma campanha mediática estridente contra a TAP, assente em falsas premissas, que procura apresentar a situação da TAP como insustentável e a privatização como única alternativa". 

A comissão de trabalhadores adianta que "a agravar este cenário" há um Presidente da Comissão de Acompanhamento do Processo de Privatização, João Cantiga Esteves, "escolhido pelo Governo, que não pode ser imparcial pois é quem mais alto berra sobre a inevitabilidade da privatização". 

Para os trabalhadores, o atual Governo "está na fase terminal do seu mandato, e é preciso garantir que a TAP sobreviva à sanha destruidora com que pretende terminá-lo, qual Nero que encontrou no incêndio de Roma a forma de imortalizar o seu nome".


Lusa
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41