sicnot

Perfil

Economia

Freitas do Amaral diz que "pagar tudo" é a solução para papel comercial no BES

O jurista e antigo governante Diogo Freitas do Amaral criticou hoje a demora na resolução da questão do papel comercial vendido aos balcões do BES, considerando que a única solução justa é o pagamento imediato das verbas devidas.

"Já tarda de mais a única solução justa para os detentores de papel comercial vendido aos balcões do BES [Banco Espírito Santo] -- pagar tudo, e já", realçou o responsável numa declaração escrita enviada à agência Lusa.

Segundo Freitas do Amaral, "o que se está a passar não é apenas mais um ataque aos detentores de pequenas poupanças: é também uma grave violação do Estado de Direito".

E acrescentou: "Quem é o responsável pelo silêncio e pelos adiamentos de várias entidades públicas neste caso? Segundo a Constituição, 'o Governo é o órgão superior da Administração Pública': alguém é capaz de explicar isto ao senhor primeiro-ministro?".

Questionado pela Lusa sobre as razões que o levaram a prestar estas declarações sobre o problema do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), o responsável disse que tem "assistido na televisão às sucessivas manifestações dos lesados", pelo que "chegou a hora de tomar uma posição pública".

Freitas do Amaral garantiu ainda que não tem qualquer interesse pessoal na questão.

"Não fui lesado nessa matéria, nem em qualquer outra, relativamente à falência do BES ou do GES. Falo apenas em defesa do que julgo ser a exigência da Justiça para com estas pessoas, que têm sido tão abandonadas na defesa dos seus inegáveis direitos", vincou.

Em causa está uma verba superior a 500 milhões de euros que afetou cerca de 2.500 famílias que se consideram lesadas com o investimento feito em papel comercial de entidades ligadas ao GES, mas que foi vendido aos balcões do BES a investidores não qualificados, e que até ao momento não foi reembolsado.

A 3 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades: o chamado banco mau (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição que foi designado Novo Banco.



Lusa

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John Mccain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06
  • Menos casos de sida em Portugal
    1:44