sicnot

Perfil

Economia

Grécia quer financiamento rápido em troca de avanços nas negociações

 A Grécia pediu hoje aos credores para lhe adiantarem dinheiro em troca dos progressos recentemente alcançados nas negociações, garantindo que "já não há liquidez na economia grega".

Petros Giannakouris

"Os avanços registados devem constituir um passaporte para uma flexibilização do financiamento da economia grega", afirmou num encontro com jornalistas em Atenas Gabriel Sakellaridis, porta-voz do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Segundo Sakellaridis, Atenas quer "chegar a um acordo global (com os credores) até ao fim de maio ou de junho, um acordo que tenha a maior duração possível" e sem passar necessariamente por um acordo intermédio.

Questionado sobre se o acordo global incluiria uma renegociação da dívida, Sakellaridis respondeu: "É o governo que decidirá o momento oportuno para colocar essa questão".

O porta-voz reconheceu que "já não há liquidez na economia grega" e que "não se pode avançar com reformas eficazes num estado de asfixia financeira".

"Para nós é importante que a libertação de financiamento ocorra o mais depressa possível", insistiu, acrescentando que "hoje" seria a data desejável.

Sakellaridis disse ainda que nas propostas apresentadas aos credores, o governo grego fez "concessões".

"Não podemos aceitar os ataques alegando que só apresentamos ideias e nenhuma proposta concreta", adiantou.

O porta-voz sugeriu que pode ser alcançado um acordo "nos pontos em que há entendimento, deixando as questões divergentes para uma nova ronda de negociações", mas fonte europeia afirmou que não se coloca a hipótese de dividir as reformas em pacotes.

Após três dias de negociações no Grupo de Bruxelas, que inclui representantes do governo grego e dos credores europeus e do Fundo Monetário Internacional, há ainda reuniões previstas até quarta-feira.

As negociações parecem decorrer num ambiente mais desanuviado depois da remodelação da equipa negocial grega, que passou a ter como coordenador Euclides Tsakalotos.

Atenas enfrenta problemas de liquidez devido a um impasse nas negociações com os credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) que tem atrasado a transferência para os cofres gregos de uma parcela de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012.


Lusa
  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.