sicnot

Perfil

Economia

Grécia quer financiamento rápido em troca de avanços nas negociações

 A Grécia pediu hoje aos credores para lhe adiantarem dinheiro em troca dos progressos recentemente alcançados nas negociações, garantindo que "já não há liquidez na economia grega".

Petros Giannakouris

"Os avanços registados devem constituir um passaporte para uma flexibilização do financiamento da economia grega", afirmou num encontro com jornalistas em Atenas Gabriel Sakellaridis, porta-voz do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Segundo Sakellaridis, Atenas quer "chegar a um acordo global (com os credores) até ao fim de maio ou de junho, um acordo que tenha a maior duração possível" e sem passar necessariamente por um acordo intermédio.

Questionado sobre se o acordo global incluiria uma renegociação da dívida, Sakellaridis respondeu: "É o governo que decidirá o momento oportuno para colocar essa questão".

O porta-voz reconheceu que "já não há liquidez na economia grega" e que "não se pode avançar com reformas eficazes num estado de asfixia financeira".

"Para nós é importante que a libertação de financiamento ocorra o mais depressa possível", insistiu, acrescentando que "hoje" seria a data desejável.

Sakellaridis disse ainda que nas propostas apresentadas aos credores, o governo grego fez "concessões".

"Não podemos aceitar os ataques alegando que só apresentamos ideias e nenhuma proposta concreta", adiantou.

O porta-voz sugeriu que pode ser alcançado um acordo "nos pontos em que há entendimento, deixando as questões divergentes para uma nova ronda de negociações", mas fonte europeia afirmou que não se coloca a hipótese de dividir as reformas em pacotes.

Após três dias de negociações no Grupo de Bruxelas, que inclui representantes do governo grego e dos credores europeus e do Fundo Monetário Internacional, há ainda reuniões previstas até quarta-feira.

As negociações parecem decorrer num ambiente mais desanuviado depois da remodelação da equipa negocial grega, que passou a ter como coordenador Euclides Tsakalotos.

Atenas enfrenta problemas de liquidez devido a um impasse nas negociações com os credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) que tem atrasado a transferência para os cofres gregos de uma parcela de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012.


Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.