sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas revê em alta previsão de crescimento da Alemanha em 2015

A Comissão Europeia reviu hoje em alta as perspetivas de crescimento da Alemanha para este ano, estimando agora um crescimento do PIB de 1,9%, graças a um "mercado laboral robusto" e a "condições de financiamento favoráveis".

© Hannibal Hanschke / Reuters

Depois de o ano passado o Produto Interno Bruto (PIB) ter avançado 1,6%, segundo Bruxelas, para este ano é esperado um crescimento de 1,9%, acima da anterior previsão de 1,5%.

Segundo as previsões de primavera, hoje divulgadas, a economia alemã será beneficiada por um mercado de trabalho forte e condições de financiamento que sustentarão a procura interna. Também a queda do preços do petróleo e a desvalorização do euro irão dar um ajuda.

Bruxelas antevê ainda que uma descida da taxa de desemprego, que passa dos 5% em 2014 para 4,6% em 2015, enquanto a inflação manterá a tendência de queda que vem seguindo, de 0,8% no último ano para 0,3% em 2015. 

Este valor fica, ainda assim, acima dos 0,1% anteriormente previstos. 

Tal como nas previsões de inverno, a Comissão antecipa que o investimento privado vai melhorar, mas de forma hesitante, enquanto o investimento público deverá aumentar.

Para 2016, a Comissão prevê que o crescimento avance para 2% e a taxa de desemprego volte a descer para 4,4%.

Bruxelas reviu ainda hoje as previsões de excedentes orçamentais, estimando agora que a Alemanha apresente 'superavits' de 0,6% em 2015 e 0,5% em 2016, isto depois do excedente recorde de 0,7% registado em 2014. 

Esta melhoria das perspetivas deve-se em muito à expectativa quanto aos efeitos positivos nas receitas públicas do mercado de trabalho e do consumo. 

Quanto à dívida pública, esta deverá manter a trajetória de descida para 71,5% do PIB em 2015 e 68,2% do PIB em 2016.



  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.