sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas sem entraves à proposta de aquisição do BPI pelo CaixaBank

A Comissão Europeia aprovou hoje a proposta de aquisição do BPI pelos espanhóis do CaixaBank, após concluir que a operação não levantaria preocupações ao nível das regras europeias de concorrência.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Segundo o executivo comunitário, que tinha até 13 de maio para se pronunciar sobre a notificação, recebida a 07 de abril, da Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, as quotas de mercado combinadas das duas instituições bancárias "são muito baixas", pelo que não há risco de distorções ao nível da concorrência.


Em fevereiro, o catalão CaixaBank, maior acionista do BPI, com 44,1% do capital, anunciou a intenção de lançar uma OPA sobre o banco liderado por Fernando Ulrich.


Segundo o anúncio preliminar, o CaixaBank condiciona a oferta à eliminação do limite de 20% dos direitos de voto atualmente existente no BPI (apesar dos 44% de capital social que detém, o CaixaBank vota apenas com 20%) e a que a oferta supere os 50% do capital.


O CaixaBank propõe adquirir a maioria do capital do BPI por 1,329 euros por ação.


O banco catalão é o maior acionista do BPI, contando com quatro membros no Conselho de Administração, seguindo-se a empresária angolana Isabel dos Santos, através da Santoro, com 18,6% (que propôs uma eventual fusão entre o BPI e BCP) e o Grupo Allianz, com 8,4%.


A "luz verde" da Comissão Europeia, depois de uma análise ao impacto da operação, era necessária para o processo poder avançar.



Lusa
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.