sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal diz que é imprescindível continuar ajustamento e reformas estruturais

O Banco de Portugal defendeu hoje que "é imprescindível" para a economia portuguesa "prosseguir o processo de ajustamento em curso" e que o sucesso de Portugal depende também de realizar reformas estruturais e "persistir na correção dos desequilíbrios macroeconómicos".

(SIC/ Arquivo)

A instituição liderada por Carlos Costa apresentou hoje o Boletim Económico de maio no qual o banco central analisa a evolução da economia portuguesa em 2014, não incluindo previsões para os próximos anos.

O Banco de Portugal considera que "é imprescindível para a economia portuguesa prosseguir o processo de ajustamento em curso, de forma a que "os aumentos do consumo sejam sustentáveis, o investimento assegure a renovação do capital e os níveis de endividamento sejam progressivamente reduzidos".

Para a entidade, "o sucesso da economia portuguesa" depende, por um lado, da sua capacidade para "aumentar a quantidade e a qualidade dos fatores produtivos", mas também da capacidade de "encetar reformas estruturais e persistir na correção dos desequilíbrios macroeconómicos com base numa correta condução das políticas económicas".

Em relação ao elevado nível de endividamento de Portugal, o Banco de Portugal considera que "constitui um problema" por representar um "contínuo desvio de recursos associado ao serviço da dívida" e pelo "nível de exposição ao risco a que submete a economia".

Quanto ao mercado de trabalho, o banco central considera que a evolução verificada em 2014 "espelha a evolução na atividade e também os fortes desequilíbrios acumulados nos últimos anos".

Apesar de o emprego ter crescido e de a taxa de desemprego ter caído em 2014, "os níveis de utilização do fator trabalho na economia portuguesa mantêm-se muito abaixo dos prevalecentes antes do início da crise internacional" e há também "uma menor dinâmica" nos fluxos laborais, ou seja, há menos destruição de emprego mas também uma "limitada criação de novos postos de trabalho".

Além disso, o Banco de Portugal sublinha que "a persistência de elevados níveis de desemprego envolve custos económicos e sociais muito assinaláveis", pelo que a capacidade de absorver os desempregados no mercado de trabalho "permanece como um dos principais desafios da economia portuguesa, o qual se torna estruturalmente mais difícil de vencer quanto maior a duração do desemprego".

A solução para este problema passa por adotar "medidas que envolvam a redução da segmentação no mercado de trabalho e que aumentem a flexibilidade salarial", recomenda o banco central.

O Banco de Portugal sublinha, no entanto, que, depois de três anos de contração económica, Portugal cresceu 0,9% em 2014 e que, "embora moderado, este crescimento é de assinalar visto ter ocorrido em simultâneo com o restabelecimento de equilíbrios macroeconómicos fundamentais", no âmbito do programa de resgate, concluído a meio do ano passado.

Outro aspeto positivo destacado pelo banco central foi a evolução das exportações em 2014, que passaram a ter um peso de 40% do PIB, mais 10 pontos percentuais do que em 2010, uma alteração que, para a instituição, "corresponde a uma alteração estrutural".

Lusa
  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.