sicnot

Perfil

Economia

Rotas da SATA para Europa dão prejuízos anuais de quatro a seis milhões de euros

As rotas para a Europa da SATA representam quatro a seis milhões de prejuízos anuais, revelou hoje o presidente da administração da empresa, tendo os partidos da oposição nos Açores sublinhado que foram mantidas por indicação do executivo açoriano.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

A administração da companhia aérea dos Açores já tinha assumido, num plano de negócios até 2020, apresentado em janeiro passado, que estas rotas eram "historicamente deficitárias" e por isso seriam abandonadas depois do verão, tendo hoje o presidente da SATA, Luís Parreirão, revelado, numa audição parlamentar, em resposta a questões dos deputados do PSD, CDS, PCP e PPM, o valor do prejuízo que causam à empresa.

Os deputados da oposição lembraram que estas rotas começaram a ser feitas e se mantiveram por indicação do Governo dos Açores, único acionista da SATA, como aliás já foi assumido pelo executivo, que argumentou com a sua importância para o turismo do arquipélago.

O PSD reforçou hoje que o executivo "obrigou" a companhia a manter uma opção danosa financeiramente, enquanto o deputado do PCP, Aníbal Pires, considerou mesmo que a situação de degradação financeira da SATA se deve "às opções" que o Governo dos Açores lhe impôs sem lhe pagar os serviços que pede.

Luís Parreirão foi hoje ouvido ao longo de cerca de seis horas, em Ponta Delgada, pela comissão de inquérito ao Grupo SATA criada na Assembleia Legislativa dos Açores.

Em resposta a questões dos deputados do PSD e de Artur Lima, do CDS-PP, o administrador da SATA revelou que, ao contrário daquilo que a empresa previa, e estava contemplado no plano de negócios até 2020, não conseguiu apresentar propostas competitivas às 'low cost' que começaram a voar há um mês para os Açores para a prestação de serviços de 'handling' (serviços em terra). Segundo o PSD, a SATA apresentou a essas companhias, preços três vezes superiores aos praticados por outras empresas.

Parreirão justificou que a "estrutura de custos" da SATA com pessoal não permite competir com serviços de outras empresas de 'handling', mais recentes e com modelos de contratação diferentes e mais flexíveis.

Apesar disso, garantiu que a SATA continua a manter o objetivo de reduzir até 20% do seu pessoal, até 2020, sem fazer despedimentos.

Segundo revelou, este ano já houve um corte de pessoal de cerca de 50 pessoas com a não renovação de contratos, a cessação de contratos de substituição e reformas, dizendo que isso representará uma redução de custos de cerca de um milhão de euros anuais.

                                                                                    

Paulo Estêvão, do PPM, quis ainda saber que resposta deu o executivo açoriano às preocupações que a SATA lhe manifestou, no final do ano passado, relativamente às dificuldades financeiras da empresa. Parreirão respondeu que viu uma resposta no aumento das transferências para companhia previstas no orçamento regional deste ano e numa "carta de conforto" do executivo para ser apresentada junto dos bancos com que está a ser negociada a reestruturação da dívida da SATA.

Após seis horas de audição, PSD, CDS e PPM consideraram que foram, porém, várias as questões a que Parreirão não respondeu, anunciando que ponderam voltar a chamá-lo à comissão.

Já o PS insistiu, nas suas perguntas, em querer saber qual o peso do fundo de pensões nos custos da empresa e qual o impacto que teve a greve realizada em 2013.

O fundo de pensões vale atualmente 26 milhões de euros e tem um custo anual de 1 milhão para a empresa, enquanto a SATA estimou que a greve de 2013 teve um custo direto de 3,5 milhões de euros, afirmou Luís Parreirão.

Lusa
  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59