sicnot

Perfil

Economia

Rotas da SATA para Europa dão prejuízos anuais de quatro a seis milhões de euros

As rotas para a Europa da SATA representam quatro a seis milhões de prejuízos anuais, revelou hoje o presidente da administração da empresa, tendo os partidos da oposição nos Açores sublinhado que foram mantidas por indicação do executivo açoriano.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

A administração da companhia aérea dos Açores já tinha assumido, num plano de negócios até 2020, apresentado em janeiro passado, que estas rotas eram "historicamente deficitárias" e por isso seriam abandonadas depois do verão, tendo hoje o presidente da SATA, Luís Parreirão, revelado, numa audição parlamentar, em resposta a questões dos deputados do PSD, CDS, PCP e PPM, o valor do prejuízo que causam à empresa.

Os deputados da oposição lembraram que estas rotas começaram a ser feitas e se mantiveram por indicação do Governo dos Açores, único acionista da SATA, como aliás já foi assumido pelo executivo, que argumentou com a sua importância para o turismo do arquipélago.

O PSD reforçou hoje que o executivo "obrigou" a companhia a manter uma opção danosa financeiramente, enquanto o deputado do PCP, Aníbal Pires, considerou mesmo que a situação de degradação financeira da SATA se deve "às opções" que o Governo dos Açores lhe impôs sem lhe pagar os serviços que pede.

Luís Parreirão foi hoje ouvido ao longo de cerca de seis horas, em Ponta Delgada, pela comissão de inquérito ao Grupo SATA criada na Assembleia Legislativa dos Açores.

Em resposta a questões dos deputados do PSD e de Artur Lima, do CDS-PP, o administrador da SATA revelou que, ao contrário daquilo que a empresa previa, e estava contemplado no plano de negócios até 2020, não conseguiu apresentar propostas competitivas às 'low cost' que começaram a voar há um mês para os Açores para a prestação de serviços de 'handling' (serviços em terra). Segundo o PSD, a SATA apresentou a essas companhias, preços três vezes superiores aos praticados por outras empresas.

Parreirão justificou que a "estrutura de custos" da SATA com pessoal não permite competir com serviços de outras empresas de 'handling', mais recentes e com modelos de contratação diferentes e mais flexíveis.

Apesar disso, garantiu que a SATA continua a manter o objetivo de reduzir até 20% do seu pessoal, até 2020, sem fazer despedimentos.

Segundo revelou, este ano já houve um corte de pessoal de cerca de 50 pessoas com a não renovação de contratos, a cessação de contratos de substituição e reformas, dizendo que isso representará uma redução de custos de cerca de um milhão de euros anuais.

                                                                                    

Paulo Estêvão, do PPM, quis ainda saber que resposta deu o executivo açoriano às preocupações que a SATA lhe manifestou, no final do ano passado, relativamente às dificuldades financeiras da empresa. Parreirão respondeu que viu uma resposta no aumento das transferências para companhia previstas no orçamento regional deste ano e numa "carta de conforto" do executivo para ser apresentada junto dos bancos com que está a ser negociada a reestruturação da dívida da SATA.

Após seis horas de audição, PSD, CDS e PPM consideraram que foram, porém, várias as questões a que Parreirão não respondeu, anunciando que ponderam voltar a chamá-lo à comissão.

Já o PS insistiu, nas suas perguntas, em querer saber qual o peso do fundo de pensões nos custos da empresa e qual o impacto que teve a greve realizada em 2013.

O fundo de pensões vale atualmente 26 milhões de euros e tem um custo anual de 1 milhão para a empresa, enquanto a SATA estimou que a greve de 2013 teve um custo direto de 3,5 milhões de euros, afirmou Luís Parreirão.

Lusa
  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.