sicnot

Perfil

Economia

Tribunal decreta arresto de bens de João Rendeiro no valor de 4,7 M€

O Tribunal da Comarca de Lisboa ordenou o arresto preventivo dos bens de João Rendeiro avaliados em 4,7 milhões de euros. A decisão, segundo o jornal Público, surge depois do ex-presidente do antigo Banco Privado Português ter falhado uma caução de quase 7 milhões de euros.

João Rendeiro, ex-administrador do BPP

João Rendeiro, ex-administrador do BPP

(Lusa/ Arquivo)

A verba destina-se ao pagamento de eventuais indemnizações a investidores da Privado Financeiros, que se dizem lesados pela ação de João Rendeiro, Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, todos ex-executivos do BPP. Os três estão a ser julgados por vários crimes, incluindo burla e falsificação de documentos.

A decisão, com data de 24 de abril, já foi comunicada ao Banco de Portugal.

 

 


  • João Rendeiro defende que erros no caso BES devem ser admitidos
    0:56

    Queda do BES

    O fundador do Banco Privado Português considera que o governador do Banco de Portugal não é o culpado pela situação do BES. Ainda assim, João Rendeiro considera ser impensável colocar o principal responsável do GES em última instância. Rendeiro aproveitou para relembrar o passado do BPP e diz que os culpados devem seguir o exemplo.

  • Antigos responsáveis do BPP contestam coimas do Banco de Portugal
    1:50

    Economia

    João Rendeiro, ex-presidente do BPP, optou por não prestar declarações, na primeira audiência do julgamento, em Santarém. O Tribunal da Supervisão vai decidir se as coimas superiores a 10 milhões de euros, aplicadas pelo Banco de Portugal, em outubro do ano passado, a 10 antigos responsáveis do banco, são ou não para manter.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19