sicnot

Perfil

Economia

Hotelaria e restauração perderam 17,5% do emprego nos últimos seis meses

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) afirma que nos últimos seis meses foram destruídos quase 53.000 postos de trabalho no setor, o que representa uma quebra acumulada de 17,5% nos últimos dois trimestres.

© Rafael Marchante / Reuters

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou na quarta-feira que a taxa de desemprego aumentou 0,2 pontos percentuais em cadeia no primeiro trimestre deste ano face ao anterior, fixando-se nos 13,7%. Nesse trimestre, a taxa de desemprego já havia registado um acréscimo trimestral de 0,4 pontos percentuais.

Depois desta divulgação, a AHRESP solicitou ao INE os números relativos ao setor e verificou que, depois de no último trimestre do ano passado terem sido destruídos cerca de 29.400 postos de trabalho, também no primeiro trimestre deste ano houve uma nova queda, e semelhante, nos postos de trabalho.

"Estimávamos que o nosso setor ia cair de novo neste primeiro trimestre do ano. E caiu. Para 249.100 postos de trabalho. Ou seja, uma destruição de 52.900 postos de trabalho, 17,5% do total da força de trabalho da restauração e da hotelaria entre o terceiro trimestre de 2014 e o primeiro trimestre de 2015. Estamos a falar de seis meses de catástrofe total", disse à agência Lusa o diretor da AHRESP, José Manuel Esteves.

Para a associação que representa o setor, "a carga fiscal", nomeadamente no que diz respeito ao Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) na restauração, que aumentou de 13% para 23% em 2012, é a principal causa para que as empresas do setor não consigam manter os postos de trabalho.

"O IVA, que no fundo não é um imposto sobre as empresas, é sobre o consumo, não o podemos repercutir nos nossos preços de venda porque não há poder de compra (...) Não aumentando os preços de venda estamos a dispensar força de trabalho, enquanto não fechamos a porta", disse o diretor da associação.

José Manuel Esteves mostrou-se ainda satisfeito com o facto de a oposição apresentar propostas para a redução do IVA na restauração: "Felizmente já há alguns partidos políticos a anunciarem que [ela] é fundamental, não só pelas questões do emprego, mas também para a sobrevivência de um setor de forte empregabilidade".

Segundo a AHRESP, a taxa de IVA em Portugal é a mais elevada da zona euro, considerando que "o aumento de 77% do IVA em 2012 [de 13% para 23%] colocou Portugal muito acima da média da União Monetária e Financeira -- que é de 13,6% - retirando competitividade ao país, face a outros como a Holanda (6%), a Irlanda (9%), Espanha (10%), França (10%), Itália (10%) e Grécia (13%)".

A AHRESP alerta que sem trabalhadores "não é possível garantir a qualidade de serviço ao setor do turismo" e que "sem turismo a economia nacional não cresce", apontando que sem a hotelaria e a restauração o contributo do turismo para o Produto Interno Nacional (PIB) "descia de 10% para 5,6%".


Lusa
  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC