sicnot

Perfil

Economia

CMVM multa Oliveira Costa por atividade ilegal no BPN

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aplicou hoje uma coima de 100 mil euros a José de Oliveira Costa. O ex-presidente do BPN é acusado actividade ilegal de gestão de carteiras de investimento, tal como outros responsáveis do BPN.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Também o banco BIC, que integrou o BPN, é alvo de uma coima única de 200 mil euros, com uma suspensão do pagamento de 100 mil euros, pela mesma razão.

Com coimas menores foram penalizados outros antigos administradores e responsáveis do BPN, como Karim Abdool Vakil, António Franco e José Augusto de Oliveira Costa.

António Franco foi o ex-administrador com coima mais pesada, no valor de 50.000 euros. 

José Augusto Oliveira Costa, filho de Oliveira Costa, foi condenado ao pagamento de uma coima de 25 mil euros, com suspensão parcial da execução de 17.500 euros, pelo prazo de dois anos, pelo exercício de atividade de gestão de carteiras por conta de outrem sem registo na CMVM, a título negligente. 

A decisão é definitiva para todos os arguidos à exceção de Armando Pinto e de António Coelho Marinho, que requereram a impugnação judicial da mesma, informa a entidade liderada por Carlos Tavares. 

Com Lusa


  • Reveja "A Fraude"

    A Fraude

    Durante cinco meses, uma equipa da SIC mergulhou no dossier BPN. A Grande Reportagem apresenta uma Fraude dividida em quatro capítulos.

  • Depois da Fraude (1ª Parte): A Herança
    37:16

    A Fraude

    A Parvalorem gere uma carteira de dividas de 4, 5 mil milhões de euros. Contudo, gere igualmente os 300 funcionários do BPN que ainda resistem e que não foram contratados pelo BIC quando o banco angolano comprou o BPN. A Grande Reportagem desta quinta-feira mostra-lhe uma empresa doente, que esteve parada, literalmente, durante dois anos. O relato completo de seis anos de angústia. A segunda parte da Grande Reportagem será transmitida esta sexta-feira.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05