sicnot

Perfil

Economia

CMVM multa Oliveira Costa por atividade ilegal no BPN

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aplicou hoje uma coima de 100 mil euros a José de Oliveira Costa. O ex-presidente do BPN é acusado actividade ilegal de gestão de carteiras de investimento, tal como outros responsáveis do BPN.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Também o banco BIC, que integrou o BPN, é alvo de uma coima única de 200 mil euros, com uma suspensão do pagamento de 100 mil euros, pela mesma razão.

Com coimas menores foram penalizados outros antigos administradores e responsáveis do BPN, como Karim Abdool Vakil, António Franco e José Augusto de Oliveira Costa.

António Franco foi o ex-administrador com coima mais pesada, no valor de 50.000 euros. 

José Augusto Oliveira Costa, filho de Oliveira Costa, foi condenado ao pagamento de uma coima de 25 mil euros, com suspensão parcial da execução de 17.500 euros, pelo prazo de dois anos, pelo exercício de atividade de gestão de carteiras por conta de outrem sem registo na CMVM, a título negligente. 

A decisão é definitiva para todos os arguidos à exceção de Armando Pinto e de António Coelho Marinho, que requereram a impugnação judicial da mesma, informa a entidade liderada por Carlos Tavares. 

Com Lusa


  • Reveja "A Fraude"

    A Fraude

    Durante cinco meses, uma equipa da SIC mergulhou no dossier BPN. A Grande Reportagem apresenta uma Fraude dividida em quatro capítulos.

  • Depois da Fraude (1ª Parte): A Herança
    37:16

    A Fraude

    A Parvalorem gere uma carteira de dividas de 4, 5 mil milhões de euros. Contudo, gere igualmente os 300 funcionários do BPN que ainda resistem e que não foram contratados pelo BIC quando o banco angolano comprou o BPN. A Grande Reportagem desta quinta-feira mostra-lhe uma empresa doente, que esteve parada, literalmente, durante dois anos. O relato completo de seis anos de angústia. A segunda parte da Grande Reportagem será transmitida esta sexta-feira.

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.