sicnot

Perfil

Economia

Greve dos trabalhadores da STCP com adesão total, assegura sindicato

A greve dos trabalhadores da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) está hoje a registar adesão total, disse o dirigente do Sindicato dos Motoristas do Norte, sublinhando que nem os serviços mínimos estão a ser cumpridos.

O motivo da greve é o Orçamento do Estado para este ano, que, diz a Comissão  de Trabalhadores da STCP, afetará os trabalhadores "de forma redobrada perante  todos os demais", porque "elimina direitos livremente negociados de boa-fé  entre os conselhos de administração e os representantes dos trabalhadores" (Lusa/Arquivo)

O motivo da greve é o Orçamento do Estado para este ano, que, diz a Comissão  de Trabalhadores da STCP, afetará os trabalhadores "de forma redobrada perante  todos os demais", porque "elimina direitos livremente negociados de boa-fé  entre os conselhos de administração e os representantes dos trabalhadores" (Lusa/Arquivo)

ESTELA SILVA

"Não há autocarros a circular, a adesão é de 100%. Os motoristas estão concentrados nas duas estações de recolha de autocarros, Francos e Via Norte", disse Jorge Costa à agência Lusa.

Segundo o dirigente do sindicato dos motoristas, cerca das 08:45 deveriam estar a circular cerca de 400 autocarros.

Os trabalhadores da STCP estão em greve desde as 00:00 de hoje e até às 02:00 de terça-feira, em defesa do carácter público da empresa e pela contratação de mais motoristas.

Os trabalhadores consideram que "só com a manutenção da empresa na esfera do Estado será possível a manutenção de um serviço público com qualidade, indispensável às populações do Grande Porto".

O serviço poderá também ser afetado a partir de terça-feira "e até que a empresa proceda à admissão de novos motoristas", porque foi convocada uma greve parcial às duas últimas horas de cada serviço diário, bem como às duas últimas e duas primeiras horas dos serviços com intervalo entre etapas.

Acresce a greve convocada para os fins de semana, a partir do dia 16 de maio.

As organizações representativas dos trabalhadores da STCP referem que esta greve aos fins de semana visa permitir a todos "gozar o seu merecido descanso, face à impossibilidade do gozo de dias de férias".

"Só desta forma é possível garantir na maior parte dos casos o descanso entre jornadas de trabalho", acrescentam.

O Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social determinou serviços mínimos para a greve de hoje e para a paralisação aos fins de semana.

Hoje estavam abrangidas nos serviços mínimos as linhas 200, 204, 205, 207, 305, 501, 600, 701, 702, 704, 800, 801, 901/906, 903 e as 1M, 4M, 5M, 7M, 10M e 13M.

O concurso público para a subconcessão da STCP foi lançado em agosto de 2014, mas ainda não foi assinado o contrato com o consórcio espanhol TMB - Transports Metropolitans de Barcelona/Moventis, o único que se apresentou a concurso e que vai operar a partir do final de junho o Metro do Porto.

A Lusa tentou obter esclarecimentos junto da administração da empresa, mas até ao momento tal não foi possível. 

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira