sicnot

Perfil

Economia

Grupo de 6400 chineses "invade" Paris e Nice

Uma empresa chinesa ofereceu a 6400 funcionários umas mini-férias de 4 dias em França. Para isso, reservou 140 hotéis em Paris e 4700 quartos na Cote d'Azur.

ap

ap

ap

Metade dos funcionários do Tiens Group - uma empresa que celebra o 20º aniversário - formam já o maior grupo a ter visitado França numa viagem de trabalho. Durante os 4 dias, passados entre Paris e Nice, é esperado que gaste cerca de 13 milhões de euros em hotéis, alimentação e passeios e espetáculos. Entre eles, uma visita "privada" ao Museu do Louvre e a ida ao famoso espetáculo do cabaret Moulin Rouge.

No sábado, o grupo entrou para o Livro de Recordes dodo Guinness, ao formar com letras a "maior frase humana" - ("O sonho da Tiens é Nice"), vista do ar.

A ideia da viagem surgiu em dezembro, quando uma operadore de turismo francesa teve conhecimento de que o presidente da Tiens queria "celebrar em estilo" o 20º aniversário da empresa. Paris e Nice acabaram por ser as localidades escolhidas, de entre uma lista onde estavam também Roma e Londres.

A empresa foi fundada nos anos 90 por Li Jinyuan e tem negócios em diversas áreas - da biotecnologia ao turismo e retalho. Li Jinyuan figurou em 2011 na lista da Forbes dos mais ricos. 


  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.