sicnot

Perfil

Economia

Pais do Amaral diz que vai tomar decisão sobre compra da TAP até sexta-feira

O empresário Miguel Pais do Amaral disse hoje que vai tomar até sexta-feira uma decisão sobre o processo de privatização da transportadora aérea TAP, salientando que a greve dos pilotos "não é fator crítico na análise".

O empresário português tem estado nos últimos dias a decidir se avança com uma proposta vinculativa. (Arquivo)

O empresário português tem estado nos últimos dias a decidir se avança com uma proposta vinculativa. (Arquivo)

SIC

Em declarações hoje à Rádio Renascença, Pais do Amaral, que está a analisar a aquisição da TAP em conjunto com o consórcio norte-americano Frank Lorenzo, disse que ainda não assumiu uma decisão final quanto ao processo de privatização da transportadora aérea.

"Ainda não temos decisão. Penso que iremos tomar essa decisão mais perto de sexta-feira [fim do prazo para entrega de propostas], mas neste momento o consórcio está a trabalhar", afirmou em declarações àquela rádio. 

Questionado sobre a influência que a recente greve dos pilotos poderá ter na decisão, Pais do Amaral disse estar preocupado com a "situação da empresa" e que "a greve dos pilotos não é um fator crítico na análise que estamos a elaborar". 

Na origem da greve de dez dias dos pilotos da TAP está a privatização da companhia.

Os pilotos da TAP e da Portugália cumpriram 10 dias de greve (entre 01 de maio e domingo) por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20% no capital da empresa no âmbito da privatização. 

O ministro da Economia, António Pires de Lima, considerou na segunda-feira que a TAP nunca teve uma greve com adesão tão baixa como a que os pilotos terminaram no domingo mas referiu que os prejuízos financeiros chegaram aos 35 milhões de euros.

Segundo o sindicato dos pilotos (SPAC), ao longo dos dez dias de paralisação foram cancelados, em média, 50% dos voos originalmente planeados.

A transportadora aérea portuguesa e o Governo anunciaram que, durante o período de greve, foram realizados, em média, 70% dos voos diários.

Na segunda-feira, em conferência de imprensa, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, reconheceu que a situação financeira da TAP ficou mais frágil depois da greve dos pilotos e anunciou que a empresa irá apresentar na próxima semana um plano para melhorar essa situação.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.