sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas pede mais medidas para Portugal cumprir défice este ano e PEC em 2016

A Comissão Europeia reafirma que a meta do défice para este ano não está assegurada e admite que Portugal não cumpra o Pacto de Estabilidade e Crescimento em 2016, pedindo, por isso, mais medidas de consolidação orçamental.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Numa recomendação específica sobre Portugal divulgada hoje, a Comissão Europeia voltou a afirmar que a correção do défice excessivo este ano, ou seja, um défice abaixo de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), "não está garantida".

Ainda assim, Bruxelas admite que é possível que Portugal consiga cumprir esta meta, salientando que deve ser garantida uma "correção duradoura" do défice excessivo já este ano através de "mais medidas" de consolidação orçamental "se necessário".

A Comissão Europeia afirma mesmo que o esforço orçamental português está abaixo do recomendado, defendendo, por isso, que "são precisos mais esforços para garantir um controlo estrito da despesa".

A recomendação da Comissão, que foi elaborada depois da análise dos programas nacionais de Estabilidade e de Reformas 2015-2019, destaca ainda o "otimismo" nas previsões do Governo para 2017 e 2018, apesar de considerar que as estimativas para este ano e para o próximo "parecerem plausíveis". 

"As medidas de reequilíbrio para apoiar os objetivos orçamentais planeados de 2016 para a frente não foram suficientemente especificadas e parecem ser insuficientes", afirma Bruxelas. 

A Comissão Europeia está preocupada com os próximos anos, admitindo que existe "um risco significativo" de o país falhar o objetivo de médio prazo - um défice estrutural de 0,5% do PIB - em 2016, o que significa falhar as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC). 

O PEC estabelece uma redução do défice estrutural (que exclui a variação do ciclo económico e medidas temporárias) para 0,5% do PIB, objetivo com o qual o Governo se compromete para 2016 no Programa de Estabilidade, mas do qual Bruxelas duvida: nas previsões de primavera, a Comissão Europeia diz que em 2016 o défice estrutural será de 2,1%.

A Comissão reafirma que são necessárias mais medidas e pede um ajustamento orçamental de 0,6% do PIB, bem como um reforço da lei dos compromissos para "controlar melhor a despesa".

No leque de medidas pedido, Bruxelas critica o "progresso limitado" na reforma das pensões e no setor dos transportes (pedindo mais transparência no que se refere às concessões e nas parcerias público-privadas) e defendeu que há "ampla margem" para modernizar a administração fiscal e pede uma avaliação do impacto geral das reformas fiscais realizadas.

A comissão pede mais reformas ainda no mercado de trabalho, recomendando que Portugal "promova o alinhamento dos salários com a produtividade" e que assegure que os desenvolvimentos do salário mínimo "sejam consistentes com os objetivos de promover o emprego e a competitividade".

Além disso, defende ainda que Portugal deve assegurar que os benefícios sociais são bem aplicados, nomeadamente uma "cobertura adequada" dos sistemas de rendimento mínimo, e que adote medidas para reduzir o endividamento das empresas portuguesas.

Questionado sobre uma possível inversão das políticas de austeridade em Portugal, o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou que a Comissão "não ajusta as suas recomendações em função do contexto eleitoral". 

"A Comissão Europeia não tem verdadeiramente o hábito de se ocupar das eleições nos diferentes Estados-membros, ou de ajustar as suas recomendações em função do contexto eleitoral, pelo que não tenho nada a acrescentar às recomendações que formulámos", sublinhou Moscovici na conferência de imprensa para a apresentação das recomendações específicas por país -- exercício que faz parte do 'Semestre Europeu' de coordenação de políticas económicas.
Lusa
  • Bruxelas fala em "espaço de manobra" para Portugal inverter rumo de austeridade
    2:08

    Economia

    Bruxelas acredita que existe "espaço de manobra" para Portugal começar a aliviar as medidas de austeridade, implementadas durante o programa de ajustamento. O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, considerou esta terça-feira que, perante a descida do défice orçamental, o país deve pensar nessa possibilidade e em medidas como a reposição de salários.

  • O perfil do homicida de Barcelos
    2:42

    País

    Adelino Gomes Briote já tinha sido condenado por ofensas à integridade física da sogra e de uma filha. Em seis meses esta foi a segunda vez que o homem acusado do quádruplo homicídio em Barcelos esteve perante a justiça.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.

  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.

  • Guerra na Síria não dá tréguas
    1:51

    Mundo

    Na Síria e ao mesmo tempo que decorrem novas negociações de paz, a guerra não dá tréguas. As imagens mostram o resultados dos últimos raides aéreos nos subúrbios de Damasco. O balanço provisório é de mais de 30 mortos e pelo menos 50 feridos.