sicnot

Perfil

Economia

Depois da Toyota é a vez da Honda chamar à oficina milhares de carros

A Honda anunciou hoje que vai chamar às oficinas 4,89 milhões de veículos por receio de que um defeito nos airbags possa levar o mecanismo a explodir, ampliando um crise global do setor automóvel.

© Toru Hanai / Reuters

A empresa japonesa anunciou a revisão um dia depois da Toyota e da Nissan terem dito que iam chamar às oficinas um total de 6,5 milhões de veículos também devido a preocupações com o sistema de airbag, produzido pela empresa Takata.

O terceiro fabricante do Japão, com um total de 11,4 milhões de 'airbags' revistos desde 2008, tem sido até agora a marca mais afetada pelo defeito nos insufladores produzidos pela Takata, que se podem abrir com demasiada força e projetar fragmentos de metal para os ocupantes.

Ainda que a recolha de veículos abranja 15 modelos diferentes do fabricante, a Honda só revelou até ao momento o número de unidades que passaram pelas oficinas no Japão, um total de 1,72 milhões de veículos.

Desde 2008, já foram chamados às oficinas de várias marcas cerca de 30 milhões de veículos - dos quais 10 milhões nos Estados Unidos - para substituir os insufladores defeituosos dos 'airbags' da Takata.

Para além da Honda, Toyota e Nissan, outros fabricantes como a Ford, o Grupo Chrysler, Mazda, BMW, Mitsubishi e Subaru levaram a cabo revisões dos seus veículos devido aos defeitos dos 'airbags' da Takata.

A Honda Portugal referiu que, até ao momento, ainda não tem um número conclusivo de veículos abrangidos em Portugal, mas o porta-voz da marca nipónica adiantou que serão os modelos Civic e Jazz produzidos entre 2003 e 2007.


Com Lusa

  • Alianças do PS marcam discursos no Congresso do PS
    2:51
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.