sicnot

Perfil

Economia

Aeroportos de Faro, Porto e Lisboa com estacionamento grátis durante 10 minutos

A ANA, entidade que gere os aeroportos portugueses, vai condicionar o acesso automóvel às zonas de partidas e chegadas dos aeroportos mais congestionados, nomeadamente Lisboa, Porto e Faro, cobrando o estacionamento superior a dez minutos.

© Hugo Correia / Reuters

Segundo o porta-voz da ANA, Rui Oliveira, o tempo de estacionamento grátis de dez minutos "é mais do que suficiente" para permitir recolher e largar passageiros e a medida será "benéfica para os utilizadores" que passam a poder parar por dez minutos sem pagar nada, ao contrário do que acontece atualmente.

O aeroporto de Faro será o primeiro a avançar com a medida, já em junho, seguindo-se o Porto, no último trimestre deste ano, e Lisboa, no primeiro trimestre de 2016.

Para aceder aos terminais de partida e chegada, vai passar a ser necessário transpor uma cancela e retirar um 'ticket' de estacionamento, que não será cobrado se não exceder os dez minutos. A partir daí são cobradas tarifas, que ainda estão por fixar.

Rui Oliveira sublinhou que o objetivo "não são as receitas" e sim melhorar a qualidade do serviço e reorganizar as zonas de partidas e chegadas, que "não foram concebidas para o tráfego que têm atualmente".
Lusa
  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.