sicnot

Perfil

Economia

Pais do Amaral continua a trabalhar na proposta de compra da TAP

NOTÍCIA SIC

O empresário Pais do Amaral continua a trabalhar na oferta para a compra da TAP, ao que a SIC apurou. O prazo para entrega de propostas termina esta sexta-feira às 17:00.

O empresário português tem estado nos últimos dias a decidir se avança com uma proposta vinculativa. (Arquivo)

O empresário português tem estado nos últimos dias a decidir se avança com uma proposta vinculativa. (Arquivo)

SIC

O empresário português tem estado nos últimos dias a decidir se avança com uma proposta vinculativa. A confirmar-se, Pais do Amaral deve avançar com o empresário Frank Lorenzo. 

Na década de 90, o multimilionário americano foi proibido de ter companhias de aviação nos Estados Unidos, por razões de segurança. 

O presidente da TAP, Fernando Pinto, disse, em 2014, que conhece o caráter de Frank Lorenzo e alegou que os problemas de Lorenzo nos Estados Unidos estão resolvidos há vários anos.

Até ao momento, há apenas uma proposta confirmada: A SIC apurou que David Neeleman, o dono da Azul, foi o primeiro a entregar a proposta à Parpública.

German Efromovich também deve entregar nas próximas horas a sua proposta. O empresário tem estado a ultimar os trabalhos com assessores jurídicos e financeiros.

O Governo vai anunciar esta noite quantas propostas recebeu para a privatização da TAP.
 
A conferência de imprensa, no Ministério da Economia, está marcada para as 20:00. 
  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33