sicnot

Perfil

Economia

Grécia alertou credores para a falta de liquidez antes de pagamento ao FMI

O primeiro ministro grego Alexis Tsipras avisou vários responsáveis estrangeiros de que Atenas não poderia pagar os 750 milhões de euros que devia ao FMI em maio, embora tenha acabado por o fazer, noticiam hoje os jornais gregos.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

As notícias surgem menos de uma semana depois de Atenas admitir que recorreu a um fundo de emergência para pagar o empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e evitar a saída da zona euro.

No dia 08 de maio, Tsipras escreveu aos responsáveis da Comissão Europeia (CE), FMI e Banco Central Europeu (BCE) para os avisar de que a Grécia não conseguiria reembolsar o dinheiro na data prevista (12 de maio), a não ser que os seus credores aceitassem transferir para os cofres gregos a última parcela do atual programa de resgate, no total de 7,2 mil milhões de euros, refere o diário Kathimerini, citando fontes europeias.

O jornal acrescenta que Tsipras contactou também o secretário do Tesouro norte-americano Jack Lew e adianta que os credores da Grécia encararam o aviso como um "possível 'bluff'".

A Grécia ganhou algum alento na última ronda de negociações sobre a dívida, enquanto continua a tentar manter-se solvente, mas os ministros das Finanças da zona euro pediram mais reformas antes de libertarem os fundos.

Além dos 7,2 mil milhões de euros previstos no âmbito dos dois planos de resgate do país, que totalizam 240 mil milhões de euros, o governo grego reclama a devolução de 1,9 mil milhões de euros correspondentes aos lucros do BCE com obrigações gregas, adquiridas em 2010, mais 1,2 mil milhões de euros do fundo helénico de estabilidade financeira que Atenas considera terem sido indevidamente reembolsados ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF).

Alexis Tsipras pretende também que o BCE desbloqueie o 'plafond' (limite) máximo de emissões de dívida de curto prazo que constituem atualmente a principal fonte de financiamento do governo grego.

Oficialmente, Atenas disse sempre que o país honraria os seus compromissos, apesar de o ministro das Finanças Yanis Varoufakis reconhecer que a margem financeira era extremamente reduzida.

O próximo reembolso ao FMI, no valor de 302,5 milhões de euros, terá lugar a 05 de junho.





Lusa
  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.