sicnot

Perfil

Economia

Mais de 3,5 milhões de pensionistas em Portugal

O número de pensionistas em Portugal ultrapassa os 3,59 milhões, quase três milhões do regime geral e 613 mil na Caixa Geral de Aposentações (CGA), segundo documentos oficiais a que a agência Lusa teve acesso.

© Rafael Marchante / Reuters

A Segurança Social (SS) paga 2.007.120 pensões de velhice, mais 258.448 por invalidez e 718.246 pensões de sobrevivência, que totaliza 2.938.814 pessoas no regime geral, dados atualizados até 5 de janeiro deste ano.

A CGA regista 613.896 pensões de "reforma, sobrevivência e outras", pagas a pensionistas da administração pública, que adicionados aos do regime geral totalizam 3.597.710 utentes pagos, segundo cálculos efetuados pela Lusa com base nos documentos públicos disponíveis.

A caixa de aposentações divulga que 471.149 correspondem a pagamentos por aposentação e reforma, e 142.747 são retribuições por sobrevivência e outras, com um valor médio de pensão de 1.280,95 euros, à data de dezembro de 2013, conforme os dados mais recentes e disponíveis no endereço eletrónico https://www.cga.pt/numeros.asp.

As mulheres estão em número superior nas reformas nacionais da SS e representam quase 1,1 milhões de pensionistas, do total de reformas pagas pelo regime geral no final de 2014, sendo uma constante desde 2001 (http://www4.seg-social.pt/estatisticas).

A SS difunde nos documentos consultados pela Lusa que em 2013 pagava pensões por velhice a 1.069.486 mulheres e 949.342 a homens (total 2.018.828), em 2012 as mulheres representavam 1.052.067 reformas e os homens 939.124 (total 1.991.191), e 1.033.280 inscritas eram mulheres contra 917.751 homens (total 1.951.031) em 2011.

Nas pensões de sobrevivência, as mulheres lideram com diferenças ainda maiores, no final do ano passado 586.132 pensionistas eram mulheres contra 132.114 homens, revelam os mapas estatísticos da SS. 

Lisboa, Porto e Setúbal representam mais de um terço do total de reformas pagas ao presente pela SS, com 408.424, 304.433 e 157.386 pensionistas, respetivamente, inscreve o mapa de pensionistas por velhice por centro de processamento à data mais recente de atualização.

Os Açores, Bragança e Beja são os distritos com menos reformados remunerados, 25.870, 31.251 e 35.733 pensionistas, respetivamente, consta dos mesmos mapas. 

A CGA é a responsável pela gestão do regime de segurança social dos funcionários públicos, e trabalhadores equiparados, admitidos até 31 de dezembro de 2005 em matéria de pensões de aposentação, reforma dos militares e elementos das forças e serviços de segurança, e outras pensões relacionadas com o setor público, conforme a lei 131/2012 de 25 de junho.

Os utentes da CGA são funcionários e agentes administrativos da administração pública central, local e regional, professores do ensino particular e cooperativo e trabalhadores de algumas empresas públicas e sociedades anónimas de capitais públicos, ainda de acordo com a lei consultada pela Lusa.




Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.